AFP PHOTO / dpa / Stefan Sauer
AFP PHOTO / dpa / Stefan Sauer

Menino de 13 anos ajudou a descobrir tesouro de rei viking na Alemanha

No fim de semana, foram recuperadas mais de 600 peças de prata do século 10, entre as quais há até 100 moedas cunhadas pelo rei Harald Bluetooth

O Estado de S.Paulo

16 Abril 2018 | 11h58

BERLIM - Arqueólogos e voluntários alemães descobriram na Ilha de Rügen, ao norte do país, um tesouro viking com mais de mil anos de idade pertencente ao famoso rei dinamarquês Harald Bluetooth, depois que um menino de 13 anos e um aficionado por arqueologia encontraram vários artefatos.

+ FBI resolve enigma envolvendo múmia egípcia

+ Tumbas de mais de 3 mil anos são descobertas no Egito

Segundo informou nesta segunda-feira, 16, o Escritório Regional de Arqueologia e Conservação de Monumentos do Estado federado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental em um comunicado, no fim de semana foram recuperadas mais de 600 peças de prata do século 10, entre as quais há até 100 moedas cunhadas pelo rei Bluetooth.

+ Cidade na Polônia encontra cápsula com pequeno tesouro nazista

+ Estado Islâmico destruiu estátuas do sítio de Tell Ajaja, na Síria

Além das moedas, que incluem gravuras de cruzes cristãs e pesam cerca de 0,3 gramas, foram encontradas pérolas, gargantilhas, fíbulas e um martelo.

Algumas das peças estão cortadas em pedaços porque eram usadas como pesos, segundo os arqueólogos, que consideram que se trata da maior descoberta de moedas realizadas até o momento no sul do Mar Báltico.

Harald Bluetooth, filho do rei Gorm e da rainha Thyre, ficou conhecido em sua época pela unificação das tribos norueguesas, suecas e dinamarquesas e por sua conversão ao cristianismo. O sobrenome do rei dinamarquês, que significa dente azul em português, acabou dando origem ao sistema de conexão sem fio Bluetooth.

Depois de perder uma batalha contra seu filho Svend Tveskaeg, Bluetooth fugiu ferido para a Ilha de Wolin, onde morreu. Segundo os arqueólogos alemães, a descoberta em Rügen pode estar relacionada a essa fuga, à qual também foram vinculadas duas descobertas de joias realizadas no fim do século 19 na ilha próxima de Hiddensee.

Relembre: Estado Islâmico destrói artefatos arqueológicos no Iraque

As primeiras pistas sobre o tesouro foram trazidas por dois arqueólogos amadores que se dedicavam a rastrear objetos arqueológicos com dispositivos GPS e detectores de metais perto da cidade de Schaprode, em Rürgen.

Após localizarem várias peças, que confundiram a princípio com fragmentos de alumínio e ferro, os dois decidiram entrar em contato com as autoridades competentes. No fim de semana, arqueólogos e voluntários, inclusive o menino de 13 anos, fizeram escavações na região até encontrarem todo o tesouro. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Alemanha [Europa]Viking

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.