Reprodução Facebook
Reprodução Facebook

Menino desaparecido no atentado de Barcelona é encontrado vivo, dizem jornais

De acordo com os jornais 'El País' e 'El Mundo', Julian Cadman, de 7 anos, está em um hospital da cidade e desde o sua localização era conhecida pelas autoridades desde o princípio; diário britânico, 'The Guardian', no entanto, diz que a criança continua sumida

O Estado de S.Paulo

19 Agosto 2017 | 12h02
Atualizado 19 Agosto 2017 | 19h33

BARCELONA - O menino Julian Cadman, de 7 anos, que desapareceu durante o ataque terrorista nas Ramblas de Barcelona, na quinta-feira, foi encontrado vivo em um hospital da cidade, afirmou neste sábado a imprensa espanhola. 

Citando uma fonte da polícia, o jornal El País disse que Julian estava desde o princípio na lista de mortos e feridos. A publicação não conseguiu, porém, informações sobre seu estado de saúde. Já o diário El Mundo afirmou que o menino está em um hospital de Barcelona e nunca foi considerado desaparecido.

Horas depois, no entanto, o diário britânico The Guardian publicou em seu site que os relatos da imprensa espanhola estavam incorretos e, na verdade, o menino continuaria desaparecido. 

O "Guardian" usou como fonte uma mensagem publicada pela polícia catalã no Twitter. O texto diz que as autoridades "nem estão procurando nem encontraram qualquer criança perdida no ataque de Barcelona" e ainda esclarece que "todas as vítimas e feridos já foram localizados".

Julian se perdeu da mãe, identificada como Jom Cadman, no momento em que um dos terroristas usou um furgão para atropelar os pedestres. Eles estavam de férias em Barcelona.

Além de parentes e amigos, que se mobilizaram nas redes sociais à procura da criança, a primeira-ministra britânica, Theresa May, e o premiê canandense, Malcolm Turnbull, também se solidarizaram com o apelo. O garoto possui dupla nacionalidade britânica e australiana.

Pouco antes do ataque, o pai da criança, Andrew Cadman, conversou com o filho. Ele viajou à Barcelona para ajudar nas buscas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.