Reuters
Reuters

Menino diz ter se fingido de morto para escapar de massacre na Síria

Garoto de 11 anos conta que soldados e milicianos sírios assassinaram sua mãe e seus irmãos

BBC Brasil, BBC

01 de junho de 2012 | 13h18

HULA - O menino Ali al Sayed, de 11 anos de idade, diz ter sido um dos únicos sobreviventes do massacre cometido na cidade de Hula, na Síria.

Veja também:

link ONU aprova investigação sobre massacre de Hula, na Síria

blog Síria: um brasileiro no olho do furacão diplomático

link Hillary Clinton argumenta contra intervenção militar na Síria

O ataque em que 108 pessoas foram mortas, muitas delas crianças, vem sendo atribuído às tropas do governo da Síria e a milicianos ligados ao regime do presidente Bashar al-Assad.

O garoto conta ter visto soldados disparando cinco vezes contra sua mãe e, em seguida, atirando em seu irmão Nader, de 6 anos, na cabeça e nas costas.

Ali conta que após ter ficado totalmente encoberto pelo sangue do irmão, ele se deitou no chão e fingiu que estava morto.

Ativistas sírios estimam que um total de mil crianças já tenham sido mortas no conflito. A estimativa de grupos de direitos humanos é de que o confronto entre rebeldes e forças do governo já matou 12 mil pessoas no país.

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC

Mais conteúdo sobre:
videooriente médiosíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.