Menino quer "divórcio" do pai assassino

Patrick Holland, um menino americano de 14 anos que teve a mãe brutalmente assassinada pelo pai, Daniel Holland, pode se tornar o primeiro menor a se "divorciar" legalmente do genitor. Daniel renunciou aos seus direitos sobre o filho na tarde de hoje. Liz, a mãe de Patrick, foi assassinada por Daniel em outubro de 1998, quando já estavam separados. O americano arrombou a porta da casa onde ela vivia, disparou oito vezes com uma espingarda e a golpeou na cabeça com a coronha antes de abandonar o corpo, encontrado pelo filho na manhã seguinte.Os pais do rapaz estavam separados e prestes a obter o divórcio quando Liz foi assassinada. Daniel foi condenado à prisão perpétua. Hoje, os advogados do garoto compareceram a um tribunal para tentar tirar o pátrio poder de Daniel. O filho, Patrick, atualmente vive na casa de um casal de amigos da mãe, que se tornaram seus tutores após uma batalha judicial pela custódia, travada com os avós paternos do garoto. O garoto exige que Daniel não tenha acesso a informações sobre ele nem desempenhe papel nenhum em sua vida. "Ele me tirou tudo, minha casa, minha mãe, todos os meus amigos. Tudo o que eu tinha, eu perdi por culpa dele", afirmou o garoto. O estúdio cinematográfico Twentieth Century Fox está acompanhando o caso e poderá para fazer um filme sobre o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.