Lillian Suwanrumpha / AFP
Lillian Suwanrumpha / AFP

'Evitei pensar em comida para não ficar com mais fome'; resgatados na Tailândia dão 1ª entrevista

Membros da equipe Javalis Selvagens ficaram mais de duas semanas presos em caverna; eles saíram nesta manhã do hospital no qual estavam internados e se apresentaram sorridentes à imprensa

O Estado de S.Paulo

18 Julho 2018 | 07h20
Atualizado 18 Julho 2018 | 11h51

CHIANG RAI, TAILÂNDIA - Os 12 meninos e seu treinador de futebol que foram resgatados de uma caverna parcialmente inundada na Tailândia deixaram nesta quarta-feira, 18, o hospital onde estavam internados ao norte da Província de Chiang Rai. Eles deram a primeira entrevista coletiva transmitida em rede nacional.

+ Após chamá-lo de pedófilo, Musk pede desculpas a especialista que ajudou em resgate na Tailândia

+ Resgate na Tailândia é roteiro pronto para filmar, dizem especialistas

Sorridentes, os meninos se apresentaram à imprensa falando seus nomes e as posições em que jogam na equipe Javalis Selvagens. Um deles afirmou que foi um milagre o grupo ter sido encontrado depois de passar nove dias preso na caverna.

+ Resgatados na Tailândia lamentam e choram a morte de mergulhador

+ Último mergulhador a deixar caverna na Tailândia relata momentos dramáticos

Os jovens detalharam que não tinham comida e sobreviveram bebendo água da chuva que escorria pelas paredes. Eles tinham comido antes de entrar na gruta e não levavam alimentos. "No primeiro dia estávamos bem, mas depois de dois dias começamos a nos sentir cansados", disse um dos garotos. "Eu não tinha forças. Tentei não pensar em comida para não ficar com mais fome", disse Titan, de 11 anos, o mais jovem do grupo, ao explicar como resistiu a tantos dias de isolamento.

Eles também disseram que tentaram cavar com pedras um buraco para sair da caverna, mas não conseguiram. "Nós tentamos sair porque achamos que não podíamos esperar que as autoridades nos resgatassem", explicou o técnico Ekkapol Chantawong. 

O treinador também explicou durante a entrevista que a ordem na qual os meninos foram retirados da caverna não foi influenciada pelo estado de saúde de cada um deles. "Aqueles cujas casas são mais afastadas saíram primeiro para que pudessem dizer a todos que os outros meninos estavam bem", disse Chantawong.

"Foi um milagre", disse em inglês Adul Sam-On, de 14 anos. "Eu estava com medo de não conseguir voltar para casa, de ser repreendido pela minha mãe", afirmou um dos garotos. "Bebemos água apenas das estalactites (formações rochosas no teto de grutas)."

Recuperação

Os jovens ganharam cerca de 3 kg cada um desde o dia que foram resgatados, informou o diretor do hospital no qual estavam internados. Eles perderam 4 kg durante o tempo em que ficaram isolados na caverna. O time tailandês realizou "exercícios para a construção de confiança" durante a última noite no hospital, disse o diretor da instituição.

Usando uma camiseta com o desenho de um javali, em referência ao nome da equipe de futebol, os adolescentes se apresentaram de forma individual, depois de terem improvisado passes com uma bola no local onde foi realizada a entrevista. "Meu sonho é ser um jogador profissional", disse um dos resgatados.

Os médicos decidiram antecipar a alta em um dia e as autoridades permitiram que o grupo falasse com a imprensa antes de seguir para casa, em razão do enorme interesse provocado pela história. 

"O motivo de se realizar uma entrevista coletiva esta noite é que os meios de comunicação têm muitas perguntas e depois (os meninos) poderão voltar para sua vida normal, sem o assédio dos jornalistas", disse o porta-voz do governo, Sunsern Kaewkumnerd.

Os especialistas advertem que os jogadores da equipe Javalis Selvagens e seu treinador poderão sofrer transtornos em longo prazo, em razão da intensa experiência vivida na caverna de Tham Luang. Os médicos avisaram às famílias dos meninos que eles deverão evitar conversas com jornalistas durante ao menos um mês depois de voltarem para casa.

A entrevista desta quarta-feira foi monitorada por especialistas, e o Departamento de Relações Públicas de Chiang Rai solicitou as perguntas antecipadamente à imprensa para submetê-las aos psiquiatras. O programa chamado "Enviando os Javalis Selvagens para Casa" foi transmitido pelas principais redes de televisão durante cerca de uma hora. 

Após nove dias desaparecido, sem comida e sem água potável, o grupo foi localizado por mergulhadores britânicos a vários quilômetros da entrada da caverna inundada. Os socorristas estudaram a melhor forma de tirá-los da gruta e optaram por uma operação arriscada que implicava guiar os meninos por passagens inundadas em macas. Eles foram levemente sedados para evitar que entrassem em pânico. / REUTERS e AFP

Mais conteúdo sobre:
Tailândia [Ásia]caverna

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.