AFP PHOTO / Panumas Sanguanwong
AFP PHOTO / Panumas Sanguanwong

Meninos resgatados na Tailândia viram aprendizes de monges em templo budista

Grupo passará nove dias em templo budista aderindo aos ensinamentos da principal religião do país para cumprir promessa de seus pais e homenagear mergulhador morto no resgate; apenas um dos jovens, que é cristão, não participa da iniciativa

O Estado de S.Paulo

25 Julho 2018 | 09h46

BANGCOC - Os meninos que foram resgatados em uma caverna inundada na Tailândia, em um drama acompanhado por pessoas do mundo todo, foram ordenados como aprendizes de monges budistas nesta quarta-feira, 25, em homenagem a um mergulhador voluntário que morreu durante seu resgate.

Vestindo mantos brancos, os 11 meninos e seu técnico, Ekapol Chanthawong, chegaram ao templo Wat Phra That Doi Tung, localizado em Chiang Rai, província do norte da Tailândia, em um dia de chuva leve e neblina. O 12º integrante do time, Adul Sam-on, de 14 anos, é cristão, e por isso não foi ordenado monge.

Eles ouviram cânticos budistas e depois receberam mantos cor de açafrão durante uma cerimônia de grande comoção transmitida ao vivo pelas autoridades no Facebook. Um dia antes suas cabeças foram raspadas, um dos preparativos para se tornarem aprendizes de monges.

“Suas vidas mudarão agora”, disse Manit Prakobkit, autoridade de um grupo regional cultural, à mídia. “Esta experiência os ajudará a valorizar seus pais e lhes dar uma ideia do Dharma”.

O grupo passará nove dias em outro templo budista, aderindo aos ensinamentos e preceitos do budismo, a principal religião do país.

Sua estadia será o cumprimento de uma promessa feita por seus parentes no caso de eles voltarem sãos e salvos, além de uma homenagem ao mergulhador Samarn Kunan, de 38 anos, a única fatalidade da operação de salvamento do grupo, que ficou preso na caverna por causa de chuvas da estação de monções.

A operação de resgate internacional terminou com sucesso em 10 de julho, quando o último membro do grupo foi retirado da caverna inundada de Tham Luang, em Chiang Rai.

Na quarta-feira, no templo, os meninos ajudaram uns aos outros a vestir os novos mantos em uma cerimônia assistida por sua famílias e pela e pela mulher de Samarn, Valeepoan Kunan.

A cerimônia terminou com os visitantes e fiéis usando guarda-chuvas para pegar pacotes de moedas atiradas ao ar, um costume que significa que os aprendizes abdicaram das riquezas terrenas.

Os meninos e Ekapol entraram no complexo de cavernas no dia 23 de junho para explorá-las quando ficaram presos. Eles sobreviveram durante nove dias graças à água que pingava de rochas até mergulhadores os encontrarem em uma barragem enlameada. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.