Mensagem atribuída a Bin Laden culpa EUA por aquecimento global

Gravação transmitida por Al-Jazeera também pede boicote ao dólar.

BBC Brasil, BBC

29 de janeiro de 2010 | 17h21

Uma nova mensagem de áudio atribuída ao líder da rede extremista Al-Qaeda, Osama Bin Laden, acusa os Estados Unidos e outros grandes países industrializados de serem responsáveis pelo aquecimento global.

A gravação, exibida pela rede de televisão árabe Al-Jazeera, também faz um apelo por um boicote ao dólar "para libertar a humanidade da escravidão".

"Todas as nações industrializadas, principalmente as grandes, são responsáveis pela crise do aquecimento global", diz a voz. "Esta é uma mensagem para o mundo inteiro, sobre aqueles que estão provocando as mudanças climáticas, deliberadamente ou não, e sobre o que devemos fazer em relação a isso."

A gravação também critica o governo do ex-presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, por não ter ratificado o Protocolo de Kyoto.

"Bush filho e o Congresso diante dele rejeitaram este acordo apenas para satisfazer as grandes empresas", afirma a voz.

Outra fita

Há poucos dias, foi divulgada outra fita também supostamente gravada por Bin Laden, na qual a voz elogia a tentativa de ataque a um avião comercial nos Estados Unidos no último dia de Natal.

Em resposta, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que a mensagem indica o quão enfraquecido Osama Bin Laden se tornou.

"(O fato de) Bin Laden divulgar uma fita para endossar um estudante nigeriano que participou de um atentado frustrado é uma prova de como ele está enfraquecido, porque isso (a tentativa de ataque) não foi necessariamente orquestrado por ele", afirmou Obama.

A autenticidade das duas gravações ainda não foi confirmada.

Mas o IntelCenter, grupo americano que monitora atividades de islâmicos, disse que a voz da primeira fita aparentemente é de fato de Bin Laden.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.