Mensagem atribuída ao mulá Omar pede guerra santa

Um comunicado atribuído ao chefe da milícia Taleban, mulá Mohammed Omar, pede aos afegãos que se empenhem na guerra santa contra os norte-americanos e os que apóiam os Estados Unidos no governo do Afeganistão. "Pedimos aos muçulmanos do Afeganistão que deixem imediatamente os norte-americanos e a cruzada e iniciem a jihad (guerra santa) contra os norte-americanos e seus aliados", diz a mensagem a ele atribuída.O comunicado foi distribuído a diversos jornais de Peshawar e a Associated Press obteve uma cópia. O nome de Omar aparecia ao lado do título Amir-ul Momineen, ou servo do Islã. A autenticidade da mensagem não pôde ser verificada.A nota cita uma fatwa (edito islâmico) supostamente aprovada por 1.600 estudiosos muçulmanos no Afeganistão e que pede a morte de qualquer um que apóie os Estados Unidos e o governo afegão apoiado por Washington.De acordo com a mensagem, a fatwa determina: "A dignidade do Islã foi violada. Hoje, os Estados Unidos atacam e oprimem a nação muçulmana do Afeganistão. Agora a jihad é obrigatória para os muçulmanos. Aqueles que cooperam com este invasor infiel e ficam a seu lado merecem ser mortos."O texto diz ainda que aqueles que não lutarem na guerra santa "devem se preparar para deixar seus postos governamentais num país subserviente aos interesses dos Estados Unidos".O comunicado alerta os afegãos que se preparem para ser punidos se apoiarem seu "governo escravo". "Aqueles que permanecerem em seus cargos após esta mensagem deverão ser responsabilizados pela nação, pelo país e sua história", diz a nota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.