Mentores de ataque em Madri estão livres, diz ex-ministro

O ex-ministro do Interior espanhol Angel Acebes defendeu suas afirmações iniciais de que os separatistas bascos seriam os responsáveis pelas explosões de trens em março, em Madri. Em uma sessão que se prolongou por mais de 10 horas numa comissão parlamentar de inquérito, Acebes respondeu a um intenso interrogatório dos deputados sobre os atentados de 11 de março e suas conseqüências.O ex-ministro disse durante a audiência que muitos dos terroristas que perpetraram os atentados estão na prisão, mas aqueles que planejaram a tragédia provavelmente continuam livres. Acebes reiterou à comissão que tudo apontava para o ETA (Pátria Basca e Liberdade). Imediatamente depois das explosões de 11 de março, que destruíram vagões em quatro trens de passageiros e mataram 191 pessoas, Acebes responsabilizou publicamente o ETA pelos ataques. Entretanto, a polícia já seguia a pista deixada por grupos extremistas islâmicos.Acebes disse também que foi unânime a conclusão da polícia nos dias que se seguiram aos ataques, de que o ETA era o principal suspeito. Para ele, "não tem a menor importância" a fita com os versos do Corão, nem os detonadores encontrados em um veículo suspeito, nem o fato de que a dinamite utilizada nos atentados fosse distinta da usada habitualmente pelo ETA. Todas essas provas foram levantadas pela polícia poucas horas depois dos atentados.Os críticos acusam o Partido Popular da Espanha de ter enganado o público para proteger-se de uma possível reação negativa a apenas três dias das eleições gerais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.