Chip Somodevilla/Pool via Reuters
Chip Somodevilla/Pool via Reuters

Mercados de aposta virtuais veem leve melhora nas chances de Trump após debate

Apostas ficaram mais acirradas desde meados de outubro, mas tendências nos sites ainda preveem uma vitória de Biden

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2020 | 19h14

LONDRES - A probabilidade de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se reeleger cresceu ligeiramente nos mercados de aposta virtuais após o último debate presidencial de quinta-feira.

Os apostadores da casa britânica Smarkets dão ao desafiante democrata Joe Biden 66% de chance de vencer a eleição de 3 de novembro, menos do que os 68% de antes do debate. As chances de Trump subiram de 32% para 34%.

A Betfair também disse que as chances de Trump melhoraram no mesmo nível após o debate, acrescentando que apostadores gastaram o equivalente a mais de US$ 12 milhões na eleição entre quinta e sexta-feira.

As apostas ficaram mais acirradas desde meados de outubro, mas as tendências nos sites ainda preveem uma vitória de Biden. O ex-vice-presidente tem uma vantagem considerável em pesquisas de opinião nacionais, mas a disputa está mais apertada nos Estados-chave, que provavelmente decidirão a corrida.

A maioria das apostas políticas de grande montante ocorre fora dos EUA, onde tal modalidade de aposta é ilegal. 

Dia de campanha 

A 11 dias das eleições, Trump continua a corrida desenfreada para recuperar terreno frente a Biden, com dois comícios no importante Estado da Flórida nesta sexta-feira. 

Enquanto isso, Biden falou de Wilmington, Delaware, onde vive, para expor seu plano de "vencer a covid-19" e recuperar a economia, fortemente atingida pela pandemia.

No debate, os dois candidatos trocaram opiniões sobre as políticas das quais divergem, mas o duelo provavelmente não mudará a dinâmica da corrida presidencial, em um ciclo eleitoral inusitado em que mais de 50 milhões de pessoas já anteciparam o voto por causa da pandemia./REUTERS e AFP  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.