Merck é absolvida em mais um processo do Vioxx

Um júri federal de Nova Orleans (Louisiana) absolveu nesta quarta-feira o laboratório farmacêutico Merck num processo aberto por um homem que tinha consumido durante meses o antiinflamatório Vioxx, já retirado do mercado. O autor da ação, Charles Laron Mason, de 64 anos, processou a empresa após ter sofrido um ataque cardíaco em julho de 2003, o qual, segundo seus advogados, pode ter sido provocado pelo consumo do popular medicamento durante pouco mais de 10 meses. Os advogados da Merck argumentaram, no entanto, que o medicamento não teve nada a ver com o ataque sofrido por Mason, já que ele consumiu a droga durante menos de um ano e deixou de tomá-la vários dias antes de seu problema cardíaco. O caso é só um entre os milhares que correm em diferentes tribunais americanos desde que a Merck retirou o Vioxx do mercado. No dia 26 de setembro, outra decisão judicial foi tomada a favor do laboratório devido à falta de provas que comprovassem o vínculo entre o uso do medicamento e o ataque do coração que um homem do estado de Kentucky havia sofrido. A Merck retirou voluntariamente o Vioxx do mercado em setembro de 2004, depois que um estudo determinou que seu consumo prolongado duplicava o risco de enfarte e de derrames. Por causa desse estudo, a empresa enfrenta mais de 14.000 processos em tribunais estaduais e federais de todo o país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.