Mercosul anuncia associação de Suriname e Guiana

O chanceler do Uruguai, Luis Almagro, anunciou nesta quinta-feira a associação do Suriname e da Guiana ao Mercado Comum do Cone Sul (Mercosul), do qual são sócios plenos o Brasil, a Argentina, o Uruguai e a Venezuela, além do Paraguai, que está suspenso desde julho de 2012.

MARINA GUIMARÃES, ENVIADA ESPECIAL, Agência Estado

11 Julho 2013 | 19h09

"O Mercosul está dando os passos necessários para receber o Suriname e a Guiana", disse Almagro durante a reunião plenária do Conselho do Mercosul entre os sócios plenos e os associados, nesta tarde, em Montevidéu. Antes, Almagro confirmou à imprensa que os chanceleres buscam uma fórmula para reintegrar o Paraguai ao bloco, após a posse de Horacio Cartes, prevista para 15 de agosto.

Ele também detalhou que a declaração a ser assinada pelos presidentes, nesta sexta-feira (12), vai repudiar "a ofensa" que vários países europeus cometeram contra o presidente da Bolívia, Evo Morales, ao fechar o espaço aéreo ao avião no qual viajava no último dia 2. Havia suspeitas de que o ex-técnico da agência de inteligência norte-americana Edward Snowden estivesse escondido no avião. Anteriormente, Morales havia declarado que poderia analisar o pedido de asilo feito por Snowden à Bolívia e outros países latino-americanos. O norte-americano está foragido após ter revelado planos de espionagem por parte dos EUA em vários países.

"Vamos defender o direito que todo país tem de conceder asilo político quando solicitado", disse Almagro. Segundo ele, a declaração vai repudiar a espionagem no continente.

Mais conteúdo sobre:
MercosulSurinameGuiana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.