Mercosul aprova retorno do Paraguai

Dilma diz que país, que voltará ao bloco em 15 de agosto, é essencial para o destino do Mercosul

ARIEL PALÁCIOS - ENVIADO ESPECIAL,

12 de julho de 2013 | 17h18

MONTEVIDÉU - O Mercosul aprovou nesta sexta-feira, 12, o retorno do Paraguai ao bloco. Suspenso há um ano em razão do controvertido processo de impeachment do presidente Fernando Lugo, o país voltará a fazer parte da aliança em 15 de agosto, quando o presidente eleito do país, Horácio Cartes, tomará posse.

"A reincorporação do Paraguai foi aprovada", disse o presidente venezuelano, Nicolás Maduro. "Amamos o Paraguai. Nos comprometemos coletivamente a iniciar as ações imediatas para reincorporá-lo."

Argentina, Uruguai e Brasil homologaram a adesão da Venezuela ao bloco durante a suspensão paraguaia. O Congresso do país hesitava em referendar a entrada de Caracas no mercado aduaneiro.

A presidente Dilma Rousseff disse que o país é essencial para o bloco. "A posse do presidente Cartes é motivo de esperança. O Paraguai e o povo paraguaio são partes essencial do destino do Mercosul", declarou. "Queremos que eles voltem."

Maduro tornou-se hoje o presidente pro-tempore do Mercosul pelo período de seis meses. O presidente bolivariano disse esperar que o Mercosul transcenda o lado comercial

Tudo o que sabemos sobre:
MercosulParaguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.