Mercosul indica volta paraguaia em 15 de agosto

Presidentes se reúnem hoje e devem formalizar fim de suspensão; Assunção rejeita presidência venezuelana

ARIEL PALACIOS , JOÃO VILLAVERDE , ENVIADOS ESPECIAIS / MONTEVIDÉU, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2013 | 02h05

O chanceler do Uruguai, Luis Almagro, afirmou ontem que os governos do Mercosul têm demonstrado "boa disposição" para decidir o retorno do Paraguai ao bloco no dia 15 de agosto.

Nessa data, o empresário Horacio Cartes assume a presidência paraguaia, o que daria ao país as condições para que seja reintegrado ao Mercosul - após um ano de "castigo", sem direito a participar das reuniões do bloco e suas decisões políticas e comerciais.

Os ministros das relações exteriores do Brasil, Argentina, Uruguai e Venezuela participam desde ontem da cúpula do Mercosul em Montevidéu. Embora a bandeira do Paraguai esteja presente, ao lado das de seus sócios, não há representantes paraguaios nesse encontro Cone Sul. Essa é a terceira cúpula do bloco sem a participação do Paraguai, país que integrou o grupo de fundadores em 1991.

O chanceler brasileiro, Antonio Patriota, afirmou ontem à noite à imprensa brasileira que os chanceleres do bloco "debatiam a fórmula precisa" para a reintegração do Paraguai. Segundo Patriota, os presidentes já fizeram "gestos importantes" ao telefonar para Cartes em abril. O chanceler disse que "a expectativa é que o Paraguai possa se somar ao Mercosul em agosto".

O governo do presidente Federico Franco e a equipe de Cartes esperavam, porém, que o bloco passasse a presidência rotativa do bloco ao Paraguai. No entanto, em razão da suspensão do país até meados de agosto, o comando semestral do Mercosul passará à Venezuela, que exercerá a presidência pela primeira vez.

"A presença da Venezuela no Mercosul é uma realidade", frisou Patriota. "A expectativa é que o Paraguai se adapte à essa realidade o mais rápido possível", afirmou. "Deixemos que o Paraguai se manifeste sobre essa questão, sobretudo o presidente que ainda não assumiu", disse o chanceler.

Patriota atenuou as declarações das autoridades de Assunção que indicavam uma certa indisposição de voltar ao bloco do Cone Sul sob a presidência da Venezuela.

A decepção no Paraguai com o Mercosul tem aumentado de forma crescente, levando os assessores do presidente eleito, Cartes, a avaliar o que chamam de "desmercosulização" da relação com os sócios.

Segundo fontes indicaram ao Estado, a ideia é manter temporariamente relações em separado com cada sócio, em vez de pensar de forma "conjunta", no âmbito do Mercosul.

Além disso, Cartes avalia intensificar as relações com a Aliança do Pacífico, grupo comercial que reúne Chile, Peru, Colômbia e México e desponta como futuro rival do Mercosul na região.

'Presença irregular'. A equipe do presidente eleito definiu que o país não participará de nenhum ato nem assinará documento oficial do Mercosul enquanto a Venezuela for tratada como sócio pleno do bloco, uma vez que o Senado paraguaio nunca ratificou a entrada do país caribenho no bloco. Para os paraguaios, a presença da Venezuela no Mercosul é "irregular".

Cartes propõe que o Paraguai assuma a presidência rotativa do Mercosul para que, depois, seu governo insista nos próximos meses na retomada da discussão no Senado sobre a entrada da Venezuela.

Argentina, Brasil e Uruguai rejeitam a ideia, já que implicaria na admissão de que a inclusão da Venezuela foi realizada de forma arbitrária.

As presidentes do Brasil e da Argentina, Dilma Rousseff e Cristina Kirchner, manterão hoje uma reunião bilateral em Montevidéu. As duas devem tratar do regime automotivo entre os dois países, além das barreiras protecionistas levantadas recentemente pela Argentina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.