Thai Navy Seal / Reuters
Thai Navy Seal / Reuters

Mergulhador da Marinha tailandesa morre mais de um ano após resgate de time em caverna

O suboficial Beiret Bureerak lutava com uma infecção sanguínea que contraiu na operação de resgate dos meninos nas cavernas

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de dezembro de 2019 | 18h33

BANGCOC - Um mergulhador da força de elite da Marinha da Tailândia que participou do resgate dramático de 12 meninos e seu técnico de futebol em uma caverna inundada do norte do país no ano passado morreu em razão de uma infecção sanguínea que contraiu durante a operação, informou nesta sexta-feira, 27, a Real Marinha Tailandesa.

O suboficial Beiret Bureerak estava em tratamento, mas seu estado de saúde piorou e ele não resistiu, informou a Marinha em um comunicado.

Ele foi o segundo militar tailandês morto por causa da operação de resgate dos meninos e do técnico do Javalis Selvagens. Ainda durante o socorro, o ex-mergulhador da Marinha tailandesa, sargento Saman Kuman, morreu após ficar sem oxigênio quando retornava para a entrada da caverna. Ele era triatleta e tinha se voluntariado a participar da operação de resgate.

O técnico do time Javalis Selvagens, Ekapol Chanthawong, e 12 meninos foram explorar as cavernas de Tham Luang, na Província de Chiang Rai, em 23 de junho de 2018 quando um temporal – durante a estação de chuvas – inundou o sistema de cavernas e os prendeu no subsolo.

Eles sobreviveram durante nove dias graças à água que pingava das rochas até serem encontrados. Quando foram localizados, uma das primeiras coisas que disseram foi que estavam com muita fome, e seus parentes, ao verem o vídeo do primeiro contato feito pelos mergulhadores, afirmaram que eles tinham perdido peso.

Voluntários do exterior se uniram ao esforço de resgate, que foi concluído em 10 de junho, quando todos os meninos e o treinador foram retirados ilesos das cavernas.

Curiosos sobre as cavernas

Em entrevista após o resgate, o técnico contou que entraram na caverna após um treino. Eles estavam curiosos sobre o lugar, mas esperavam sair logo, pois tinham uma festa de aniversário para ir. No entanto, a água subiu rapidamente, forçando o grupo a entrar em uma área cada vez mais profunda.

Surpreendidos pela inundação da rede subterrânea, eles se viram presos e sem ter como voltar por onde entraram. Eles buscaram, então, um lugar seguro para passar a noite. O grupo contou que não conseguia ouvir o barulho da chuva de dentro da caverna.

Para acalmar os pais dos meninos, as autoridades disseram que eles receberam aulas básicas de mergulho dentro das cavernas e foram preparados para o resgate. No entanto, este ano foi revelado que, para retirar os meninos com segurança, eles foram sedados e tiveram as mãos amarradas.     

Houve a preocupação de selar totalmente as máscaras para evitar a entrada de água, já que eles estavam inconscientes. Dezenove mergulhadores participaram do resgate. Entre as operações, houve uma pausa para que novos cilindros de oxigênio fossem colocados na cavidade subterrânea e para o descanso dos mergulhadores.

As cavernas foram reabertas no mês passado e funcionários do Parque Nacional Tham Luang disseram que mais de 2 mil turistas as visitaram logo no primeiro dia. / REUTERS    

Tudo o que sabemos sobre:
Tailândia [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.