Christian Howe/ Submaris/EFE
Christian Howe/ Submaris/EFE

Mergulhadores descobrem lendária máquina nazista Enigma no Mar Báltico

Militares nazistas usaram os aparelhos para enviar e receber mensagens secretas durante a 2ª Guerra, mas criptógrafos britânicos decifraram o código, em uma história que inspirou o filme 'O Jogo da Imitação'

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2020 | 16h51

BERLIM - Mergulhadores alemães que procuravam redes de pesca descartadas no Mar Báltico se depararam com uma rara máquina codificadora Enigma usada pelos militares nazistas durante a 2ª Guerra, que acreditam ter sido atirada para fora de um submarino naufragado.

Achando que havia descoberto uma máquina de escrever presa em uma rede no leito do mar da Baía de Gelting, o arqueólogo submarino Florian Huber logo percebeu o significado histórico do achado. “Fiz muitas descobertas emocionantes e estranhas nos últimos 20 anos. Mas nunca sonhei que um dia encontraríamos uma das lendárias máquinas Enigma”, disse Huber.

Os militares nazistas usaram os aparelhos para enviar e receber mensagens secretas durante a guerra, mas criptógrafos britânicos decifraram o código, ajudando os aliados a obterem uma vantagem na batalha naval pelo controle do Atlântico.

Uma equipe britânica liderada por Alan Turing no centro de decifração de códigos de Bletchley Park recebeu o crédito pela decifração do código, abreviando a guerra e salvando milhares de vidas.

A história serviu de inspiração para o filme O Jogo da Imitação, dirigido por Morten Tyldum, que em 2015 recebeu o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado.  

Pouco antes da rendição alemã, em maio de 1945, as tripulações de cerca de 50 submarinos cumpriram a ordem de afundar as embarcações na Baía de Gelting, próxima da fronteira dinamarquesa, para evitar entregá-las aos aliados. Destruir os artefatos de codificação foi parte desta ordem.

A máquina encontrada será doada a um museu de arqueologia de Schleswig, na Alemanha./REUTERS 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.