Luka GONZALES / AFP
Luka GONZALES / AFP

Merino, o presidente do Peru que juntou críticas e renunciou 5 dias após assumir

Político da velha guarda peruana perdeu apoio político ao ver os protestos contra seu governo acabar com dois manifestantes mortos

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2020 | 18h59

LIMA - Manifestantes que ocupavam as ruas no Peru festejaram neste domingo, 15, a renúncia do presidente interino do país, Manuel Merino, que estava no cargo desde a destituição de Martín Vizcarra. Além de breve, a passagem de Merino pela presidência foi marcada por polêmicas e protestos, que provocaram a morte de dois manifestantes e deixaram centenas de feridos. 

“Apresento minha renúncia de forma irrevogável ao cargo de presidente da República”, disse Merino, de 59 anos, em discurso ao país. Logo após o pronunciamento, começou a comemoração nas ruas, tomadas principalmente por jovens. 

Após uma chegada ao poder que surpreendeu os peruanos e agitou os mercados, Merino, de centro-direita, sentiu a pressão de cinco dias de protestos protagonizados por milhares de pessoas no país, principalmente jovens.

Aprovada pelo Congresso, a destituição de Vizcarra vinha sendo contestada por juristas e políticos peruanos. “Um ditadorzinho deixou o palácio”, afirmou Vizcarra, assim que soube da renúncia. 

O governo interino vinha reagindo de forma desproporcional aos protestos pacíficos. E o chefe de gabinete de Merino, Ántero Flores-Aráoz, chegou a afirmar que não ia voltar atrás. Mas a situação ficou insustentável no sábado, quando o novo presidente do Congresso, Luis Valdez, pediu a renúncia imediata de Merino. 

Valdez havia apoiado Merino no julgamento relâmpago contra Vizcarra e colocado a faixa presidencial no novo chefe de Estado na terça-feira.

Antes da destituição, a presidência do Congresso era ocupada por Merino. Ele acabou assumindo o país por ser o sucessor imediato, uma vez que o Peru não tem vice-presidente. “É um momento muito difícil para o país, não temos nada que celebrar”, disse Merino em seu primeiro discurso como presidente interino. Ao assumir, ele assegurou que respeitaria o calendário das próximas eleições, previstas para 11 de abril de 2021, e deixaria o mandato interino em 28 de julho.  

Político da velha guarda 

Após passar duas décadas em segundo plano, como representante da região de Tumbes, a menor do Peru, no Congresso, Merino, de 59 anos, ganhou destaque em setembro, ao impulsionar o primeiro pedido de destituição contra Vizcarra. O processo, no entanto, não foi à frente naquela época.

Conhecido em Tumbes, onde teve cargo legislativo por dois períodos, Merino é considerado um representante da velha guarda da política peruana. “É um típico cacique provinciano, um político discreto que se elegeu por três vezes representante por Tumbes”, disse o analista José Carlos Requena. “Ele não é um cara excepcional. Foi filiado a um único partido a vida toda e é visto como um político tradicional da velha guarda.” 

Ele foi eleito em março presidente do Congresso. Ganhou uma cadeira - com apenas 5.271 votos - nas eleições legislativas extraordinárias de janeiro, convocadas por Vizcarra após dissolver constitucionalmente o Congresso em setembro de 2019. A eleição de Merino como presidente do Congresso foi promovida pela bancada do Ação Popular, partido do qual é membro há 41 anos e principal minoria na Câmara. 

No Congresso, o engenheiro agrônomo de formação mostrou práticas econômicas populistas. O viés populista das leis econômicas que o Congresso aprovou sob a sua direção nos últimos meses, durante a pandemia, como autorizar o saque dos fundos de pensão e congelar dívidas com os bancos privados, despertou temor nos círculos financeiros quando ele assumiu a presidência.

A composição do Congresso também complicou a solidez do governo Merino, com quatro partidos populistas rivais dividindo o controle em uma aliança complexa. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.