Merkel comemora vitória na Alemanha

Chanceler espera resultado final de eleição legislativa para saber se terá de negociar coalizão

AE, Agência Estado

22 Setembro 2013 | 15h46

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse que os conservadores farão todo o possível para garantir o sucesso do país nos próximos quatro anos, diante dos resultados de boca de urna das eleições parlamentares deste domingo, 22. "Este é um super resultado", afirmou Merkel na sede de seu partido.

As projeções feitas pelas redes de televisão ARD e ZDF mostram uma ampla maioria do bloco conservador de Merkel sobre os sociais democratas de Peer Steinbrück. O social democrata disse que seu partido não conseguiu alcançar o resultado esperado. "A bola está com Merkel. Ela terá de obter a maioria", afirmou Steinbrück.

A aliança formada pelo Partido União Democrata Cristã (CDU, na sigla em alemão), de Merkel, e o União Social Cristã (CSU) conseguiu cerca de 42% dos votos nas eleições nacionais deste domingo, um número melhor do que o obtido nas eleições de 2009, segundo a contagem das duas TVs. A terceira sigla que compõe a coalizão, o Partido Liberal Democrata (FDP), não alcançou os 5% necessários para ter representatividade no Parlamento. Mesmo assim, o resultado é considerado uma vitória pessoal para Merkel, solidificando sua posição como a mais forte líder política da Europa.

O partido de centro-esquerda de Peer Seitbrück, o Partido Social Democrata (SPD), teria alcançado 26,5% dos votos, de acordo com as projeções. O Partido Verde, seu aliado, outros 8%. O Partido de Esquerda, radical, obteve 8,5%.

Se a atual coalizão de Merkel perder a maioria e os conservadores não puderem governar sozinhos, o mais provável desdobramento é uma aliança de Merkel com os sociais democratas. Ambos são rivais tradicionais, mas governaram a Alemanha juntos no primeiro mandato de Merkel, após as eleições de 2005.

Ainda não está claro também se o novo partido que pede por um rompimento ordenado da zona do euro, o Partido Alternativa para a Alemanha, obterá assentos na câmara baixa do Parlamento. As pesquisas de boca de urna indicam que o partido obterá mais de 4,9% dos votos, um pouco abaixo do que seria o suficiente para ter representatividade na casa. Merkel e outros parlamentares têm dito que não irão negociar com o partido. / AP

Mais conteúdo sobre:
AlemanhaeleiçãoMerkel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.