Merkel diz que coalizão será mantida por margem estreita

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, admitiu, em entrevista publicada nesta sábado, 17, no jornal alemão FAZ, que sua coalizão governista, que reúne o Partido Democrático Liberal (FDP, na sigla em alemão) e o bloco conservador formado pela União Democrata Cristã (CDU) e a União Social Cristã (CSU), deverá garantir um novo mandato por uma margem bem estreita nas eleições do mês que vem.

Agência Estado

17 de agosto de 2013 | 10h48

"Temos as melhores chances de atingir nosso objetivo, ou seja, manter a coalizão cristã-liberal, mas é verdade também que será por uma margem bem, bem apertada - como normalmente acontece em eleições gerais", disse Merkel.

A expectativa é de que o bloco CDU/CSU, de Merkel, conquiste a maior parte dos votos nas eleições marcadas para 22 de setembro, mas pesquisas indicam que o FDP poderá ter dificuldade para assegurar os 5% de votos necessários para integrar o Parlamento.

A sondagem mais recente da ZDF Politbarometer mostra o grupo de Merkel com 41% dos votos e o FDP com exatos 5%. Já o apoio ao Partido Social-Democrata (SPD), de oposição, caiu dois pontos porcentuais em relação à semana passada, para 25%, enquanto o do Partido Verde recuou um ponto, para 13%.

Também neste sábado, 17, o jornal alemão Frankfurter Rundschau publicou que o número de filiados ao SPD atingiu 472.469 no final de junho, ultrapassando o da CDU, que tinha 469.575 partidários. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhaMerkelalemanhaMerkel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.