Geert Vanden Wijngaert/AP
Geert Vanden Wijngaert/AP

Merkel diz que não vê 'nenhuma maneira de reverter saída britânica'

Para chanceler alemã, o resultado do referendo britânico é uma realidade e os líderes regionais 'devem leva em conta a realidade'; jantar com Cameron em Bruxelas teria sido 'sério e amigável'

O Estado de S. Paulo

29 Junho 2016 | 12h04

BRUXELAS - A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou na terça-feira, 29, que não vê "nenhuma maneira de reverter" a saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado "Brexit", e não é o momento de criar expectativas, mas de assumir a realidade.

"Não vejo nenhuma maneira de reverter isto. Todos, também de olho nas relações futuras (com o Reino Unido), faríamos bem em levar em conta a realidade. Não é o momento das ilusões, mas de contemplar a realidade", disse Merkel na entrevista coletiva posterior à cúpula europeia na qual foi abordada a saída britânica.

Merkel declarou que no jantar da cúpula, no qual o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, deu explicações sobre o referendo, não foi comentada a possibilidade de Londres não ativar o artigo 50 do Tratado de Lisboa para iniciar o processo de separação com a União Europeia (UE).

"Também não considero possível. O referendo está aqui como uma realidade. Parto do fato de que se ativará o processo, mas após um tempo (de reflexão) no qual os peticionários decidam que relação querem", acrescentou.

A chanceler acrescentou que os outros 27 líderes do bloco econômico deixaram claro a Cameron que não querem demorar no processo. "Acredito que a antecipação das eleições dos conservadores para setembro é um indício que todos entenderam", ressaltou Merkel.

A chanceler não quis revelar detalhes da conversa com Cameron, mas qualificou o ambiente durante o jantar de "sério e amigável" e marcado pela consciência de que "é um evento triste, mas que é a realidade".

"Somos políticos. Não estamos aqui para perder muito tempo com a tristeza. Dissemos que lamentamos o resultado do referendo, mas temos que tirar as conclusões necessárias e aplicar o voto a favor do Brexit no processo de saída da UE", insistiu.

Os líderes da UE também adotaram a posição comum frente a Cameron de que não haverá conversas formais nem informais até que seu sucessor tenha ativado o artigo 50, como deseja o ainda primeiro-ministro do Reino Unido.

"Podemos manter conversas bilaterais, mas não como se fossem negociações. Esperamos dos representantes britânicos que nos digam muito claramente que visão têm da saída da União Europeia", disse Merkel. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.