REUTERS/Marcos Brindicci
REUTERS/Marcos Brindicci

Merkel diz que UE terá de fazer concessões para obter acordos com o Mercosul

Em visita a Buenos Aires, chanceler diz que isolamento dos países não cria benefícios no longo prazo, como no caso da Argentina

O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2017 | 18h23

BUENOS AIRES - A União Europeia deverá fazer concessões se tiver a vontade de alcançar um acordo comercial com o Mercosul, disse nesta quinta-feira a chanceler alemã, Angela Merkel, em uma entrevista coletiva durante visita à Argentina.

Já o presidente argentino, Mauricio Macri, declarou que o protecionismo da Europa no setor agrícola - um dos pilares econômicos do bloco sul-americano - criará maiores dificuldades para que se aproxime de um pacto comercial.

Na entrevista, Merkel ressaltou que o isolamento dos países cria benefícios no curto prazo, mas não no longo prazo, como demonstra o caso da Argentina, onde o governo populista que governou o país por mais de uma década deixou o poder em 2015 com um alto déficit fiscal e uma economia afetada pela falta de investimentos.

Merkel afirmou que vai apoiar "de forma intensa" as negociações da UE para chegar a um acordo de integração com o Mercosul.

"Temos a possibilidade a nível bilateral na União Europeia e os Estados do Mercosul de concluir um acordo, e a Alemanha ratifica o desejo da Argentina de conseguir rápidos progressos neste sentido", afirmou.

A chanceler advertiu que as negociações de acordos de livre-comércio são complicadas e admitiu que a Alemanha "nem sempre é um parceiro fácil".

"Da perspectiva da União Europeia há bons motivos para concluir um acordo", mas "também é preciso aceitar compromissos" e "soluções", declarou Merkel. Ela reiterou a necessidade dess tipo de parceria para render "mais empregos e prosperidade".

Já Macri destacou que é "muito importante" que o acordo entre a União Europeia e o Mercosul avance este ano porque representaria um "grande passo à frente" após "mais de 20 anos de conversas".

"Construímos relações com o mundo inteiro, esperamos algo especial por parte dos nossos irmãos europeus nesta integração", disse Macri. "O parceiro natural para a América Latina é a Europa", acrescentou.

Após a visita à Argentina, Merkel irá ao México, onde nesta sexta-feira se encontrará com o presidente do país, Enrique Peña Nieto.  / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.