Merkel e Cameron discutem sobre saída de partido inglês de bloco

Duas visões bem diferentes sobre pan-europeísmo ficaram a mostra nesta quinta-feira, uma vez que a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o primeiro-ministro da Inglaterra, David Cameron, discutiram sobre a saída do partido deste último um bloco de centro-direita no Parlamento Europeu.

STE, REUTERS

07 de junho de 2012 | 14h46

A saída de Tories do Partido Popular Europeu (EPP) em 2009 depois que Cameron tornou-se líder do partido permanece um ponto nevrálgico entre Londres e Berlim, que apesar disso compartilham uma abundância de terrenos em comum em questões como a necessidade de disciplina fiscal na Europa, apesar de a Inglatera não ser um membro da zona do euro.

Mas o primeiro-ministro da Inglaterra, convidado a falar a estudantes no escritório de Merkel em Berlim ao lado do chanceler e líder norueguês Jens Stoltenberg, disse sem rodeios que ele não acreditava que haveria partidos pan-europeus "genuínos" por muito tempo.

"A verdade é que nós não temos partidos políticos europeus agora e eu não acredito que teremos partidos genuínos por realmente muito tempo", disse Cameron, que deixou o EPP em desacordo com sua visão federalista da Europa.

"Angela e eu concordamos sobre muitas coisas: nós dois pensamos que nos livrar de déficits orçamentários é importante, nós acreditamos na livre iniciativa, somos ambos membros da OTAN, temos muito em que concordamos, mas nós não concordamos, por exemplo, sobre a energia nuclear", disse o premier britânico.

Merkel reconheceu que os partidos da família do EPP muitas vezes tinham diferenças, mas disse que o Christian Democrats (CDU), que dirige, tinha muito em comum com o francês UMP e o Partido Popular do primeiro-ministro espanhol Mariano Rajoy.

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICAMERKELCAMERONPARTIDOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.