Merkel é criticada por pedir cristianismo em Constituição da UE

O presidente do grupo Socialista noParlamento Europeu, Martin Schulz, reprovou nesta terça-feira a chanceler alemã,Angela Merkel, por ter defendido a inclusão de uma referência aocristianismo no projeto da Constituição da União Européia (UE). "A declaração da chanceler põe em questão mais uma vez umcompromisso que já foi suficientemente difícil de alcançar. Nãoajuda que se reabra um debate que já tinha sido encerrado", disseSchulz em comunicado. "É importante defender a substância da Constituição em sua formaatual. Uma nova discussão sobre a incorporação dos valores cristãosresultaria um lastro desnecessário para as próximas negociações"sobre o projeto constitucional, acrescentou o líder dos socialistasna Eurocâmara. Após se reunir nesta segunda-feira com o Papa Bento XVI emCastelgandolfo (sul de Roma), Merkel defendeu uma "referência àsraízes religiosas da Europa" no texto do Tratado Constitucional,indicando que "o cristianismo formou a Europa de maneira decisiva". Schulz transmitirá um "protesto pessoal" à chanceler por estasdeclarações quando os dois se reunirem hoje para preparar aPresidência comunitária de turno que a Alemanha exercerá no primeirosemestre de 2007. A UE deve viver nesse semestre o clima de incerteza sobre oprojeto de Constituição Européia, rejeitado em plebiscito por Françae Alemanha, mas já ratificado por 15 dos 25 Estados-membros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.