Odd Andersen/AFP
Odd Andersen/AFP

Merkel e Hollande querem permanência grega na zona do euro

Chanceler alemã recebeu o novo presidente francês, que prometeu renegociar pacto fiscal

Efe,

15 Maio 2012 | 16h27

Texto atualizado às 18h04

BERLIM - A chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, François Hollande, expressaram nesta terça-feira, 15, seu desejo de que a Grécia permaneça na zona do euro, apesar da crise política que atinge o país e da ruptura de negociações para formar um novo governo, o que força a realização de novas eleições.

Veja também:

link Avião em que Hollande viajava é atingido por raio e volta a Paris

link François Hollande toma posse como novo presidente da França

link Sarkozy sai de cena, mas aliados acreditam na volta

"Queremos que a Grécia permaneça no euro. Sabemos que a maioria dos gregos quer o mesmo", declarou Merkel no primeiro discurso conjunto entre ela e o novo líder francês após uma primeira reunião na Chancelaria Federal.

Já Hollande lembrou que a Grécia assumiu compromissos que "devem ser cumpridos", mas ressaltou que a Europa está disposta a tomar medidas para que o país volte ao caminho do crescimento.

Tanto Merkel como Hollande destacaram que "respeitam" a decisão da Grécia de realizar novas eleições e o presidente francês insistiu várias vezes em seu desejo de enviar um "sinal" ao povo grego de que "queremos ajudá-los a ficar no euro".

A chanceler alemã destacou que um dos motivos para a criação do euro foi transformar a União Europeia (UE) em um processo de integração "irreversível". Em sua visão, a moeda única "não é só um projeto monetário, mas político".

Hollande reiterou ainda a exigência imposta durante a campanha eleitoral do pleito presidencial francês de renegociar o pacto fiscal da UE e completá-lo com medidas para fomentar o crescimento e a criação de emprego.

Ele ressaltou que Alemanha e França estudarão em conjunto ideias e propostas a respeito e buscarão a maneira de aplicá-las legalmente.

A chanceler alemã, Angela Merkel, recebeu nesta terça-feira, 15, o novo presidente francês, François Hollande, com honras militares em sua chegada à Chancelaria Federal, para iniciar pouco depois seu primeiro encontro bilateral.

Hollande chegou à sede do governo germânico com uma hora e 15 minutos de atraso em relação ao horário previsto, já que se viu obrigado a mudar de avião em Paris, depois que o aparelho no qual iniciou sua viagem foi atingido por um raio pouco depois de decolar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.