EFE/EPA/HAYOUNG JEON
EFE/EPA/HAYOUNG JEON

Merkel e Rajoy querem permanência do Reino Unido na União Europeia

Chanceler alemã faz apelo para que britânicos votem para continuar no bloco. Presidente do governo espanhol diz que voto pró-UE ‘é o melhor para todos os britânicos e europeus’

O Estado de S. Paulo

23 Junho 2016 | 14h35

BERLIM - A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, fez nesta quinta-feira, 23, um apelo de última hora para que o Reino Unido permaneça na União Europeia (UE).

"É claro que desejamos uma decisão, que obviamente será tomada pelos cidadãos britânicos, na qual o Reino Unido continue fazendo parte da União Europeia", disse Merkel durante coletiva de imprensa.

As últimas pesquisas indicam que os britânicos votarão pela continuidade do Reino Unido no bloco europeu, embora a vantagem do "Permanecer" seja pequena, o que sugere uma disputa acirrada. A votação teve início às 7h locais (3h em Brasília) e o resultado é esperado para depois da 0h (em Brasília).

Ao ser perguntada se membros fundadores da UE deverão seguir adiante e discutir o futuro do bloco, Merkel destacou que o grupo deve continuar como antes.

"As consultas devem continuar, se possível, com 28 países-membros, ou com 27 Estados, mas minha esperança é que continuemos sendo 28 integrantes", afirmou a chanceler. "Eu não defendo o estabelecimento de subgrupos agora."

Segundo Merkel, o Conselho Europeu vai se reunir na terça e quarta-feira da próxima semana, o que dará oportunidade suficiente para consultas conjuntas e "calmas" discussões sobre "como continuaremos implementando nossa agenda".

Espanha. O presidente do governo da Espanha, Mariano Rajoy, está convencido de que o Reino Unido decidirá permanecer na União Europeia porque "é o melhor para todos os britânicos e europeus", e é a maneira pela qual o projeto europeu "vai seguir em frente".

Veja abaixo: Donald Tusk: referendo britânico é 'alarme' para a UE

Rajoy acredita que suprimir algumas das liberdades que formam a UE - como a livre circulação de mercadorias, capitais e serviços - "é uma coisa que sem dúvida alguma não tem nenhum sentido".

"Espero que tenhamos boas notícias amanhã quando forem conhecidos os resultados e uma boa notícia é que o projeto europeu continua seguindo adiante", ressaltou.

Segundo ele, a opção de permanecer na UE não só será boa para o Reino Unido, mas "para o bem-estar e para a melhora dos cidadãos e para a criação de emprego". Além disso, ele considerou que hoje "é um dos dias mais importantes" desde a criação da UE.

Cerca de 46,5 milhões de eleitores foram convocados para ir às urnas e decidir se o Reino Unido permanece como membro da União Europeia ou a abandona. /EFE e Dow Jones Newswires

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.