Merkel elogia palestinos, mas pede reconhecimento de Israel

A chanceler alemã Angela Merkel recebeu bem a proposta de coalizão palestina nesta sexta-feira, mas reafirmou em conversas entre a União Européia e o presidente palestino, Mahmoud Abbas, que o novo governo deve reconhecer Israel.Em viagem à Europa para construir apoio para o cancelamento do boicote internacional imposto aos palestinos desde que o grupo islâmico Hamas chegou ao poder, Abbas disse que os palestinos estão sofrendo com a manutenção das sanções econômicas, mas destacou que continua a esperança de que o novo governo satisfaça as condições impostas pelos países do ocidente.Merkel afirmou que a divisão do poder entre líderes do Hamas e do Fatah foi positiva, pois diminuiu os confrontos entre as duas facções."É bom que o derramamento de sangue tenha acabado, principalmente em Gaza, mas ainda há algumas dificuldades à frente", disse Merkel em reunião com Abbas em Berlim.Merkel relembrou as condições do Quarteto do Oriente Médio - UE, ONU, Estados Unidos Rússia - que pede o fim da violência, reconhecimento de Israel e o estabelecimento de acordos de paz. O Hamas, no entanto, afirma que não vai reconhecer Israel.Libertação A chanceler alemã disse ainda que a libertação do soldado israelense Gilad Shalit, seqüestrado por milicianos palestinos em 25 de julho perto da fronteira de Gaza, facilitaria a suspensão das sanções impostas aos palestinos."A libertação de Shalit teria um efeito positivo e levaria mais ajuda aos palestinos", disse Merkel após seu encontro com Abbas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.