Mario Vedder/AP
Mario Vedder/AP

Merkel felicita Samaras e diz esperar que Grécia cumpra reformas

A chanceler alemã descartou a flexibilização do programa de ajustes do país grego

estadão.com.br,

18 de junho de 2012 | 17h20

BERLIM - A chanceler alemã, Angela Merkel, felicitou o vencedor das eleições legislativas na Grécia, o conservador Antonis Samaras, de quem espera que continue as reformas iniciadas por seu país e que cumpra com os compromissos adquiridos junto a seus parceiros da União Europeia (UE). A chanceler felicitou o líder da Nova Democracia por seu "bom resultado eleitoral" em uma conversa por telefone antes de partir rumo ao México para participar da cúpula do G20, informou uma porta-voz da Chancelaria.

Veja também:

link Eleição grega afasta implosão do euro, mas não elimina tensão com a Espanha

som ESTADÃO/ESPN: Mesmo após Samaras ter sido eleito na Grécia, clima não era de vitória

Merkel abriu nesta segunda-feira a possibilidade de novas ajudas à Grécia para fomentar o crescimento econômico, mas descartou taxativamente uma possível flexibilização do programa de reformas e ajustes do país. "O importante é que o novo governo persevere nos compromissos que foram adquiridos. Não se pode relaxar o ritmo das reformas", afirmou.

O pleito de domingo, que terminou com a vitória do partido conservador, e a possibilidade da introdução de novos estímulos ao crescimento da economia grega "não alteram nada nas condições" dos acordos assinados entre Atenas e Bruxelas, afirmou Merkel.

Estados Unidos

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, classificou nesta segunda-feira, 18, como "positivo" o resultado das eleições legislativas gregas com a imposição das forças pró-europeias e reiterou sua preocupação com a desaceleração do crescimento mundial.

Obama reiterou também sua preocupação com a "desaceleração" do crescimento mundial. Além disso, pediu a continuação do trabalho para estabilizar o sistema financeiro e defendeu que o protecionismo seja evitado. "Vamos trabalhar com nossos parceiros europeus e com todos os países para garantir que estamos contribuindo para o crescimento da economia, estabilização da situação e a volta da confiança aos mercados."

Com informações da Efe

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.