Michael Kappeler/ EFE
Michael Kappeler/ EFE

Merkel lidera eleição na Alemanha, mostra boca de urna

A pesquisa da emissora pública ARD mostrou o bloco conservador de Merkel com 42% dos votos, a sua pontuação mais forte desde 1990

REUTERS,

22 Setembro 2013 | 14h07

BERLIM - O grupo conservador da primeira-ministra alemã, Angela Merkel, ganhou a maioria dos votos na eleição deste domingo, 22, colocando-a no caminho para um terceiro mandato, mas não ficou claro se ela será capaz de preservar a sua coalizão de centro-direita ou se terá de negociar com seus rivais de esquerda, mostrou uma pesquisa boca de urna.

A pesquisa da emissora pública ARD mostrou o bloco conservador de Merkel, formado pela União Democrata Cristã (CDU) e a União Social Cristã Bávara (CSU), com 42%, a sua pontuação mais forte desde 1990.

Mas a sondagem não deu uma indicação clara se seus aliados do Partido Democrático Liberal (FDP), com 4,7%, contribuiriam com sua volta ao Parlamento. Um novo partido eurocéptico, o Alternativa para a Alemanha (AfD), beirava 4,9%, quase no limite mínimo de 5% para ganhar assentos no Congresso.

O apoio ao Social-Democrata (SPD), de centro-esquerda, estava em 26%, os ambientalistas Verdes ficaram com 8% e o radical o Partido da Esquerda, com 8,5%.

Se o FDP não conseguir entrar no Bundestag, então Merkel terá quase que certamente iniciar um diálogo para formar uma coalizão com o SPD, com quem governou entre 2005 e 2009. As negociações podem durar meses e um novo governo poderia adotar políticas mais de esquerda, como um salário mínimo e aumento de impostos para os mais ricos.

Comemoração. A primeira-ministra alemã, Angela Merkel, comemorou a vitória de seu bloco conservador na eleição nacional da Alemanha, mas disse que era muito cedo para discutir os planos para o próximo governo.

"Este é um super resultado", disse Merkel a partidários, depois que a pesquisa de boca de urna mostrou seu bloco conservador, formado pela União Democrata Cristã (CDU) e a União Social Cristã Bávara (CSU), com entre 42 e 42,5 por cento.

"Faremos tudo o que pudermos nos próximos quatro anos juntos para torná-los anos de sucesso para a Alemanha. Ainda é muito cedo para dizer como vamos proceder, mas hoje devemos comemorar."

Seu rival de centro-esquerda Peer Steinbrueck, cujo Partido Social-Democrata (SPD) ficou em segundo lugar com cerca de 26 por cento, disse que caberá a Merkel decidir como será o futuro governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.