Merkel pede ações imediatas da Síria

A chanceler alemã, Angela Merkel, se mostrou cautelosamente otimista sobre a disposição da Síria em colocar as armas químicas sob controle internacional, mas a autoridade também pressionou o regime do presidente Bashar Assad para que aja com rapidez.

AE, Agência Estado

11 de setembro de 2013 | 09h49

"Estou contente que a diplomacia recebeu uma chance", disse Merkel em uma entrevista a emissoras de rádio. Contudo, "só palavras não são suficientes, ações precisam segui-las".

Ela pediu que a Síria assine a convenção da Organização das Nações Unidas que proíbe as armas químicas. A chanceler também fez um apelo para que o regime de Assad revele seu arsenal de armas químicas e permita que o armamento seja colocado sob controle internacional.

A Síria saudou a proposta russa de colocar as armas químicas sob controle internacional e, como resultado, o presidente dos EUA, Barack Obama, adiou sua ameaça de uma ofensiva militar contra o regime de Assad.

Merkel chamou o futuro encontro dos ministros de Relações Exteriores de EUA e Rússia em Genebra, na quinta-feira, de um "sinal de esperança". A chanceler também disse que uma solução política é necessária para acabar com a guerra civil na Síria.

Uma segunda conferência sobre a Síria com a participação de todos os grupos envolvidos no conflito poderá ajudar a alcançar este objetivo, disse Merkel.

Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhaSíriaMerkel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.