Maurizio Gambarini/Reuters
Maurizio Gambarini/Reuters

Merkel pede que alemães não participem de atos anti-islâmicos

Quando os participantes dos atos gritam "nós somos o povo", o que eles querem dizer, na verdade, é "você não é bem vindo, por causa de sua religião ou sua cor", disse a chanceler

Estadão Conteúdo

31 de dezembro de 2014 | 10h41

A chanceler alemã, Angela Merkel, advertiu os cidadãos do país para que não participem dos atos anti-islâmicos que a cada semana têm atraído mais pessoas para a cidade de Dresden, no leste. Em seu discurso de Ano Novo, Merkel criticou os organizadores dos protestos. Segundo ela, os manifestantes são movidos por preconceitos e ódio contra estrangeiros.

Merkel foi extraordinariamente direta em suas palavras nesta quarta-feira. Quando os participantes dos atos gritam "nós somos o povo", o que eles querem dizer, na verdade, é "você não é bem vindo, por causa de sua religião ou sua cor", disse a chanceler.

Os protestos têm sido organizados por um grupo que se autointitula Europeus Patrióticos contra a Islamização do Oeste (PEGIDA, na sigla em inglês). As manifestações já reuniram milhares de pessoas.

O discurso de Merkel foi disponibilizado em texto na manhã desta quarta-feira e será lido em rede pública de televisão durante a noite. /AP

Mais conteúdo sobre:
AlemanhaMerkelxenofobia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.