Merkel pede respeito aos direitos humanos no Egito

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, pressionou o presidente do Egito, Mohammed Morsi, a manter o diálogo aberto com todas as facções políticas do seu país e a garantir que os direitos humanos e a liberdade religiosa sejam respeitados.

AE, Agência Estado

30 de janeiro de 2013 | 14h33

Merkel disse nesta quarta-feira que avisou Morsi da "importância de manter a linha de diálogo sempre aberta para todas as forças políticas no Egito para que elas possam fazer suas contribuições e de respeitar os direitos humanos e a liberdade de religião".

Morsi fez uma visita política a Berlim para garantir que seu governo continuará no caminho da democracia e, juntamente com Merkel, deu entrevista coletiva à imprensa. Questionado sobre a exigência da oposição de montar um governo multipartidário, Morsi afirmou que vai manter o planejamento e realizar primeiro as eleições parlamentares.

Merkel pediu apoio contínuo ao Egito, mas deixou claro que o país tem de resolver pacificamente seus crescentes conflitos para criar condições para investimentos estrangeiros. "Queremos que o processo de transformação no Egito seja bem-sucedido", disse. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhaEgitoMerkel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.