Fabrizio Bensch/REUTERS
Fabrizio Bensch/REUTERS

Merkel propõe prazo de 30 dias para acordo do Brexit e Johnson demonstra interesse

Reunião entre chanceler alemã e o primeiro-ministro britânico demonstrou comprometimento de ambos os lados para uma saída negociada do Reino Unido, mas ainda sem propostas definitivas

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2019 | 18h09

BERLIM – A chanceler alemã Angela Merkel e o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, consideraram a possibilidade de uma saída negociada do Reino Unido da União Europeia nesta quarta-feira, 21.

“Podemos encontrá-la (uma solução) nos próximos 30 dias, por que não?”, propôs Merkel em coletiva de imprensa conjunta em Berlim.

Em resposta, o premiê aparentou reconhecer que o “ônus está em nós” para propor uma solução à fronteira irlandesa, enquanto chegou a considerar o “prazo incandescente de 30 dias” citado pela alemã.

“Há soluções em abundância que foram proferidas, e que já foram discutidas” disse o premiê inglês, sem especificar. “Eu não acho, sinceramente, que até agora elas tenham sido ativamente propostas nos últimos três anos pelo governo britânico”, pontuou.

Merkel também citou nesta quarta a necessidade de um novo acordo de tráfego aéreo entre a União Europeia e o Reino Unido. Ela defendeu que, ao saírem do bloco, os britânicos não podem esperar ter os mesmos benefícios de um país membro.

O prazo estabelecido para o cumprimento do Brexit é 31 de outubro, e Johnson não descarta a possibilidade de uma saída sem acordo para não estender as negociações.

O dilema principal é a fronteira entre a Irlanda e a Irlanda do Norte. A Irlanda não faz parte do Reino Unido, e com o Brexit permaneceria na União Europeia.

Uma cláusula do Brexit impede que barreiras sejam instaladas entre os dois países, a fim de evitar transtornos e embates étnicos e religiosos entre as populações, já ocorridos no passado. Mas Johnson não concorda com a determinação, e por enquanto não pretende cumpri-la.

A cláusula foi proposta ainda sob o comando da ex-premiê britânica Theresa May, substituída por Johnson em julho. O Brexit de May foi rejeitado três vezes pelo parlamento britânico, o que gerou uma crise política e a renúncia de May.

Na segunda-feira, Johnson insistiu que a cláusula que gera o impasse na fronteira irlandesa deve ser desmantelada e substituída com “arranjos alternativos” para regulamentar o fluxo entre as duas fronteiras.

Após a reunião com Merkel, Johnson irá se encontrar com o presidente francês Emmanuel Macron, na quinta-feira, e já ficará na França para um encontro de três dias dos líderes de estado dos países do G-7, que começa no sábado. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.