Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Merkel saúda Obama mas alerta sobre Afeganistão e Irã

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse hoje que o fato de Barack Obama se tornar presidente dos Estados Unidos não significa que a Alemanha enviará mais tropas para o Afeganistão e afirmou ter dúvidas se o fato de conversar com o Irã terá resultado. Desejando a Obama "boa sorte" antes da posse hoje, Merkel disse em rede de televisão que a Alemanha "irá cumprir suas responsabilidades no Afeganistão", onde tem cerca de 3.300 tropas, sendo a maior parte no norte.As decisões do país foram tomadas "com base em nossas capacidades, nossas habilidades, não em quem é presidente", ressaltou ela. "Estamos dispostos a discutir como poderíamos avançar mais decisivamente no nível político, mas nada irá mudar imediatamente para a Alemanha porque já assumimos nossas responsabilidades."A Alemanha decidiu no ano passado aumentar para 4.500 o número de tropas que possui no Afeganistão, que integram a Força de Assistência de Segurança Internacional, de 50 mil tropas, da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Obama planeja colocar mais 30 mil tropas dos EUA no Afeganistão nos próximos 18 meses, mas ele pode não ter sucesso se pressionar a Alemanha a enviar mais soldados ou deslocar aqueles que já estão lá para o sul.Segundo Merkel, Obama fará "muito provavelmente" sua primeira visita a Alemanha como presidente em um encontro da Otan em Baden-Baden, no dia 3 de abril. Merkel disse que, embora possa "fazer sentido" para Obama buscar engajamento diplomático com Irã e Síria, como prometeu, ela tem dúvidas sobre as chances de sucesso dele. "No lado da União Europeia, mantivemos negociações com o Irã em diversas ocasiões, mas infelizmente muito malsucedidas durante um longo período de tempo", afirmou a chanceler."Eu acredito estar claro que, enquanto o Irã mantiver seu programa nuclear tão obscuro, e enquanto quiser destruir Israel, certamente haverá pontos em que iremos dizer que, com base nisso, não podemos nos reunir", disse Merkel. Mas acrescentou: "acredito que de qualquer forma devemos tentar". As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.