Matthias Schrader/AP
Matthias Schrader/AP

Merkel se diz aberta a conversas sobre coalizão com centro-esquerda

Chanceler começou a negociar com SPD, mas não descarta negociações com outros partidos

Agência Estado

23 Setembro 2013 | 09h28

BERLIM - A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse nesta segunda-feira, 23, que seu partido está "aberto para conversas" sobre a futura coalizão governista do país e que teve um contato inicial com o oposicionista Partido Social-Democrata (SPD, na sigla em alemão), que obteve o segundo melhor resultado nas eleições nacionais de domingo.

Merkel ressaltou que o contato que teve com o SPD não elimina possíveis negociações sobre alianças com outros partidos. Ela disse ainda que vai aguardar o resultado da convenção do SPD, marcado para esta sexta-feira.

A chanceler deixou claro que está em busca de um "governo estável", indicando ser improvável que crie um governo minoritário, formado apenas por seus partidos conservadores.

Alguns observadores têm especulado que se os democratas-cristãos de Merkel formarem um governo com o esquerdista SPD, Berlim poderá ter uma abordagem menos dura para a política de austeridade aplicada a países periféricos da zona do euro afetados pela crise europeia. Merkel enfatizou nesta segunda-feira, no entanto, que "nada vai mudar" na política do seu partido em relação à Europa.

Nas eleições de domingo, os conservadores conquistaram 41,5% dos votos para o Parlamento, enquanto o SPD ficou com 25,7% do total. Merkel poderá formar um governo também com o Partido Verde, que recebeu 8,4% dos votos. Uma aliança com o outro partido que obteve representação parlamentar, o Die Linke, de extrema-esquerda, é menos provável.

Desde 2009, os conservadores de Merkel têm governado numa coalizão com o Partido Democrático Liberal (FDP), que ontem conseguiu apenas 4,8% dos votos, menos que o mínimo necessário - de 5% - para ter direito a assentos no Parlamento. Falando a repórteres, Merkel lamentou a derrota do FDP./ DOW JONES

Mais conteúdo sobre:
AlemanhaAngela Merkel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.