Merkel se manifesta contra proposta de tornar ilegal partido de ultradireita

A premier alemã, Angela Merkel, se pronunciou contra a abertura de um novo processo para tornar ilegal o ultradireitista Partido Nacional Democrático (NPD), defendida porseus parceiros de governo social-democratas. "Uma nova solicitação de proibição, após a experiência do fracasso da anterior no Tribunal Constitucional, não teria razão de ser", disse a chefe do governo e presidente da UniãoDemocrata-Cristã (CDU) ao jornal "Ruhr Nachrichten". O NPD recebeu 7,3% dos votos nas eleições regionais do Estado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, terra da premier. Com isso, aformação, que reúne simpatizantes neonazistas, elegeu representantes para uma câmara regional pela segunda vez, após as cadeiras obtidasdois anos atrás na Saxônia. No total, a extrema direita está presente em quatro dos 16 Estados federados do país. A União do Povo Alemão (DVU), aliada do NPD, tem representantes em Brandenburgo e na cidade Estado de Bremen. Na segunda-feira, o conselho do Partido Social-Democrata (SPD) defendeu uma nova solicitação de proibição do NPD. O governo e as câmaras do Parlamento iniciaram em 2000 umprocesso de ilegalização do NPD no Tribunal Constitucional, que fracassou por questões formais. OTC rejeitou a solicitação por entender que boa parte da documentação acumulada pelos serviços deinteligência se fundamentava em relatórios de policiais infiltrados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.