AP Photo/Santi Palacios
AP Photo/Santi Palacios

Mesmo após acordo, refugiados seguem para Grécia e já somam mais de 50 mil no país

Governo grego começou a desocupar as ilhas com o objetivo de diminuir o número de pessoas nos centros de registro. Acordo entre União Europeia e Turquia determina a devolução de todo imigrante que não pedir asilo na Grécia

O Estado de S. Paulo

21 de março de 2016 | 10h14

ATENAS - O acordo entre a União Europeia (UE) e a Turquia, que contempla a devolução de todo imigrante que não peça asilo na Grécia, não impediu a chegada de mais de 1,6 mil refugiados às ilhas gregas nas últimas 24 horas. Número total em todo o país já supera os 50 mil.

Segundo dados divulgados nesta segunda-feira, 21, pelo centro de gestão da crise de refugiados, das 7h30 de domingo até a mesma hora do dia seguinte chegaram às ilhas do Egeu oriental 1.662 pessoas.

O governo começou a desocupar as ilhas no sábado com o objetivo de diminuir o número de pessoas nos centros de registro e deixá-los prontos apenas para os que serão devolvidos à Turquia.

No entanto, a falta de veículos de locomoção e as novas chegadas complicam a tarefa. Neste momento, há 5.538 imigrantes e refugiados nas ilhas, entre os que já estavam e ainda podem ser transferidos à península e os que devem retornar, caso não solicitem asilo na Grécia.

No total, há 50.411 imigrantes e refugiados espalhados por todo o território grego. O campo de Idomeni ainda é o lugar que acolhe mais pessoas, com 13.250, número no qual não estão incluídos todos os acampamentos improvisados e centros de amparo dos arredores.

Outro ponto crítico é o porto de Pireo, onde se amontoam neste momento 5.132 refugiados nas instalações habilitadas também de forma improvisada e nas barracas distribuídas por todo o recinto portuário.

No porto de Elefsina, a menos de 20 km ao noroeste de Atenas, a balsa Eleftherios Venizelos, com 1.433 pessoas a bordo, espera em mar aberto sem poder atracar em razão da falta de veículos de locomoção suficientes para transferir os refugiados. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.