Mesmo com acusação de suborno, Sharon não renuncia

O primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, disse que não pretende renunciar e que tem a intenção de servir no cargo até 2007, a despeito das acusações de corrupção e da possibilidade de vir a ser indiciado por receber suborno já nas próximas semanas.Um incorporador imobiliário foi indiciado na quarta-feira, acusado de subornar Sharon, e representantes do Ministério da Justiça informam que decidirão nas próximas semanas se o primeiro-ministro será indiciado por aceitar propinas.A despeito da onda de críticas, Sharon disse que não deixará o cargo. ?Não estou disposto a renunciar. Enfatizo, não estou disposto a renunciar. O trabalho me ocupado de manhã até a noite, e não pretendo perder tempo com questões estão sob investigação?, disse ele ao jornal Yediot Ahronot.Na tarde desta quinta-feira, em reunião com correligionários, Sharon disse: ?Planejo continuar a servir como primeiro-ministro e presidente do (partido) Likud pelo menos até 2007?, de acordo com o website do jornal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.