Mesmo com proteção, médicos não estão imunes ao ebola

Mesmo com todas as medidas que estão sendo tomadas para proteger médicos e enfermeiros de serem contaminados por ebola, o risco de transmissão não está totalmente eliminado, declarou nesta sexta-feira a organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF).

Estadão Conteúdo

24 de outubro de 2014 | 11h04

"O contágio está em todo lugar. Não há risco zero. Ainda assim, estamos todas as medidas possíveis para proteger nossos profissionais", disse um membro da direção da organização, em condição de anonimato.

Craig Spencer, médico que trabalhou pela MSF em Guiné, um dos países mais afetados, foi diagnosticado com o vírus em Nova York e foi colocado em isolamento para ser tratado. O caso foi confirmado na quinta-feira.

A direção da Médicos Sem Fronteiras recusou-se a revelar onde e por quanto tempo Craig trabalhou em Guiné, onde a organização mantém dois centros de tratamento.

Tudo o que sabemos sobre:
GuinéebolaMédicos Sem Fronteiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.