Mesquitas sunitas são atacadas às vésperas do Ramadã

Homens armados mataram quatro pessoas em ataque a residências de iraquianos sunitas, e depois abriram fogo contra duas mesquitas desta mesma vertente do Islã, manchando com violência a antevéspera do início do mês sagrado dos muçulmanos. Os atacantes fugiram com a chegada de tropas iraquianas e americanas, segundo a polícia. No próximo domingo, dia 23, muçulmanos xiitas e sunitas iniciam o jejum do Ramadã, um período de 30 dias em que ficam sem comer nem beber da alvorada ao anoitecer. O sacrifício - que também inclui outros tipos de privações - é considerado um ato de devoção pessoal em que os fiéis procuram elevar seu nível de proximidade com Deus.Teme-se que com a disseminação da violência sectária no Iraque, grupos extremistas aproveitem a oportunidade para promover ataques contra fiéis em peregrinação à lugares sagrados. Há uma semana, panfletos lançados nas ruas do bairro de Hurriyah por um grupo xiita, faziam a ameaça de que 10 árabes sunitas seriam mortos para cada xiita morto em Bagdá. Em outro caso de violência sectária, a polícia encontrou os corpos de nove homens da tribo al-Duleimi com os olhos vendados e mãos e pés presos, segundo o major da polícia Mahir Hamad Mussa. A tribo sunita al-Duleimi é uma das maiores da província de Anbar, no norte do país. O líder do maior partido político sunita, Adnan al-Duleimi, é membro da tribo. Segundo a polícia, outros sete corpos foram encontrados na capital. Aproximadamente 20 homens foram até o bairro de Hurriyah em cinco carros, atacaram diversas casas, e colocaram fogo em duas, segundo a polícia. Além dos mortos, uma pessoa ficou ferida. Após as casas, o grupo abriu fogo contra as mesquitas, danificando as construções, mas sem ferir ninguém.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.