Meta mundial de combate à fome não será atingida

A meta de reduzir à metade a quantidade de famintos no mundo até 2015 não será alcançada nem sequer em 2030, previu a FAO, agência de alimentos das Nações Unidas. Há apenas dois meses, em uma cúpula da ONU celebrada em Roma, os participantes haviam prometido acelerar as ações para reduzir a fome mundial até a metade, para 2015. Mas haverá alguns avanços na luta contra a fome, graças a um crescimento mais lento da população e às inovações biotecnológicas, afirmaram especialistas da Organização para a Agricultura e a Alimentação (FAO, por sua sigla em inglês) em uma entrevista à imprensa na sede da agência, em Roma. O organismo calculou que o número de pessoas com fome nos países em vias de desenvolvimento se reduzirá de 777 milhões, atualmente, para 440 milhões em 2030. "Isto não significa um fracasso; a meta era muito ambiciosa e ainda pode ser alcançada" - depois de 2030, disse o economista Jelle Bruinsma, um dos autores do estudo da agência. Mas em 2030, acrescentou, "ainda haverá muitos países com problemas, especialmente os da África subsaariana". O informe responsabiliza pela lentidão do avanço a baixa produtividade agrícola e a infra-estrutura deficiente dos países em desenvolvimento. E propõe uma maior liberalização do comércio agrícola.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.