ARIS MESSINIS / AFP
ARIS MESSINIS / AFP

Metade da população de Nagorno-Karabakh é deslocada pelo conflito com o Azerbaijão

Autoridades da região separatista falam entre 70 a 75 mil pessoas afetadas

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2020 | 07h53

STEPANAKERT, AZERBAIJÃO, E MOSCOU - Metade da população de Nagorno-Karabakh, entre 70 mil e 75 mil pessoas, foi deslocada pelos combates iniciados há quase duas semanas entre separatistas armênios e o Azerbaijão, anunciaram nesta quarta-feira, 7, as autoridades do território.

"De acordo com nossos cálculos preliminares, quase 50% da população foi deslocada: 90% dos afetados são mulheres e menores de idade. Falamos de entre 70 mil e 75 mil pessoas", declarou Artak Belgarian, mediador responsável pela defesa dos direitos dos civis em tempos de guerra.

Segundo Belgarian, as pessoas foram deslocadas dentro de Nagorno-Karabakh ou se tornaram refugiadas "em outros locais mais seguros" fora do território.

Nagorno-Karabakh tem 140 mil habitantes, 99% deles armênios. As autoridades locais e a Armênia acusam o Azerbaijão, desde o início dos combates em 27 de setembro, de tomar como os civis como alvos, sobretudo em Stepanakert, a cidade mais importante do território, onde vivem quase 50 mil pessoas.

Desde sexta-feira da semana passada, a localidade é alvo de foguetes e projéteis que forçam a população a buscar abrigo nos subsolos ou fugir de suas casas.

As autoridades do Azerbaijão também afirmam que sua população civil é alvo de ataques armênios, mas não apresentaram dados sobre deslocados.

Na madrugada de quarta-feira, Stepanakert voltou a ser atingida por bombardeios. Durante a manhã foram registrados ataques com drones. As sirenes ressoam com frequência na cidade, que fica praticamente sem energia elétrica durante as noites.

Um morador entrevistado pela AFP afirmou que a noite passada teve os bombardeios mais intensos desde o fim de semana. 

Putin fala em tragédia e pede cessar-fogo

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, exortou Armênia e Azerbaijão a terminar com a "tragédia" em Nagorno-Karabakh em seu primeiro pronunciamento público sobre o conflito.

"É uma enorme tragédia. Pessoas morrem e há grandes perdas em ambos os lados. Esperamos que este conflito cesse o mais rápido possível", disse Putin.

O conflito no Nagorno-Karabakh é visto com preocupação pela comunidade internacional por criar instabilidade na região do Cáucaso, mexendo com interesses de Rússia e Turquia, potências militares que disputam influência entre os países da área./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.