Metade dos homens de ilha na Polinésia são réus por pedofilia

Autoridades britânicas começaram a julgar por pedofilia nesta quarta-feira sete moradores da ilha de Pitcairn, no Pacífico. O número equivale à metade da população masculina adulta da ilha, que tem apenas 47 habitantes. Os homens são acusados de ter sexo com adolescentes de até 12 anos.Em uma reunião pública, as moradoras afirmaram que era um costume que as meninas tivessem relações sexuais desde os 12 anos de idade. Mas as esposas, filhas, irmãs e mães de alguns dos réus saíram em defesa dos homens. Elas insistem que o sexo precoce era consensual e uma tradição da ilha. Algumas das supostas vítimas de abuso foram coagidas a testemunhar, elas disseram.Entre os acusados está o prefeito da ilha, Steve Christian, e seu filho Randy. Os outros acusados são Len Brown e seu filho Dave, Jay Warren, Terry Young e Dennis Christian.DefesaOs sete homens são acusados de várias ofensas, incluindo estupro. É esperado que eles montem sua defesa baseada em uma contestação à autoridade britânica sobre a ilha.Juízes, advogados e outros funcionários da Corte de Justiça viajaram da Nova Zelândia para o julgamento.Os moradores da ilha são descendentes dos insurgentes que tomaram controle do navio britânico HMS Bounty, em 1789. Eles aportaram na ilha deserta um ano mais tarde com um grupo de homens e mulheres da Polinésia e permaneceram isolados por quase 20 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.