Metade dos jovens da AL e Caribe está em situação de risco

Bird afirma que comportamento ruim pode reduzir o crescimento da região em 2%

Efe

11 Julho 2007 | 09h27

Segundo um estudo do Banco Mundial (Bird) divulgado na terça-feira, 10, em Bogotá, metade dos 140 milhões de jovens da América Latina e do Caribe encontra-se em "situação de risco" e seu futuro é incerto por diversas razões.O relatório O Desenvolvimento e a Nova Geração afirma que, para melhorar essa situação, é muito melhor investir hoje no grupo populacional com idade entre 12 e 24 anos que enfrentar no futuro as conseqüências da falta desses investimentos.O êxodo escolar prematuro, o desemprego, o consumo de drogas e de álcool, a violência e a criminalidade colocam em risco o futuro digno dos jovens latinos e caribenhos.Segundo o relatório, o risco também está relacionado ao início precoce da vida sexual, com relações de alto risco e, no caso das mulheres, com casos de gravidez prematura ou indesejável.Ao apresentar o relatório, a economista do Banco Mundial Wendy Cunningham afirmou que os comportamentos negativos dos jovens podem custar uma redução de 2% no crescimento da região.Segundo o documento, o desemprego juvenil, a criminalidade, a gravidez indesejada, as doenças sexualmente transmissíveis e o consumo de bebidas alcoólicas, drogas e outras substâncias que causam dependência estão gerando um impacto negativo sobre a economia e os lares.Cunningham também destacou que, considerando a estrutura da pirâmide demográfica regional, os custos dos países para fazer frente a esse problema continuarão aumentando até 2025.Os jovens caribenhos e latino-americanos têm graves limitações para ingressar no mercado de trabalho formal, uma vez que não possuem formação suficiente, seja por falta de conhecimento ou experiência, ou porque entram e saem do mercado com muita freqüência nos primeiros seis ou oito anos de vida profissional.O relatório afirma ainda que o desemprego dos jovens na América Latina e no Caribe afeta em média 33% deles. Embora não haja números sobre os subempregos, calcula-se que pelo menos uma porcentagem semelhante encontra-se nessa situação.ViolênciaO documento apresenta uma lista de recomendações políticas e alerta para os riscos de medidas ´linha-dura´, como o aumento da prisão de jovens, o julgamento de jovens em tribunais para adultos e a detenção deles em prisões para maiores, "aumentarem a criminalidade".Sobre esse aspecto, o relatório afirma que a "recompra de armas não ajuda a reduzir a violência, mas aumenta a disponibilidade de armas", que os programas de "tolerância zero" não são suficientes e que muitos outros programas destinados a reduzir as condutas violentas entre os jovens não são efetivos, pelo contrário, "incentivam os comportamentos de risco"."A violência é um problema que continua crescendo na região", afirma o relatório, que ilustra com números como as agressões são crescentes em centros educativos em muitos países da região.No Brasil, 84% dos estudantes de 143 escolas de seis capitais consideram suas escolas violentas e 70% já admitiram terem sido vítimas de violência na escola. Em Bogotá, cerca de 30% dos homens e 17% das mulheres tiveram pelo menos uma briga na escola, segundo o estudo.Segundo o Bird, na Terra há 1,3 bilhão de jovens com idades entre 12 e 24 anos, dos quais 150 milhões não sabem ler nem escrever. Além disso, metade de todos os desempregados do planeta encontra-se nessa faixa etária.

Mais conteúdo sobre:
BirdjovensAmérica LatinaCaribe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.