Ministério da Defesa / AP
Ministério da Defesa / AP

Método de análise levou à demora na revelação da explosão no submarino

Demora no resgate da informação pela organização do Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares teria dificultado

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

24 Novembro 2017 | 05h00

As estações de vigilância que captaram a explosão que seria a bordo do submarino argentino S-42 San Juan, o ARA san Juan, estão a mais de 7 mil km de distância uma da outra e a 11 mil km do ponto onde o navio deu sinal de vida pela última vez, no dia 15. As duas centrais, uma na ilha britânica de Ascensão, no médio Atlântico, em uma linha que pode ser projetada desde Pernambuco, e outra no arquipélago francês de Crozet, no sul da África, ao largo de Madagáscar, integram uma rede de 11 unidades que monitoram a ocorrência de ensaios atômicos em escala planetária. A Organização do Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares (CTBTO, na sigla em inglês) é chefiada pelo secretário-geral Lassina Zerbo, de Burkina Fasso, e atua em 70 países.

Marinha Argentina diz que 'não descarta mais nada' sobre o destino do ARA San Juan

A demora no resgate da informação, que confirma uma outra, anterior e na mesma linha, divulgada pela Marinha argentina há uma semana, era atribuída ontem aos métodos de análise dos dados da CTBTO, por dois ex-integrantes do programa de pesquisa nuclear do Brasil. As prioridades da entidade e seus recursos mais avançados estariam focados na Ásia e no Oriente Médio, especulou um dos especialistas. O Atlântico Sul é considerado uma zona livre de armas atômicas.

O mapeamento hidroacústico da detonação, e o absoluto silêncio a bordo do San Juan ao longo de dez dias, apontam para um cenário dramático. Submarinistas do Brasil lembraram ontem ao Estado que nem mesmo o recurso de sinalização mais básico foi ouvido, o de manter batidas ritmadas no casco, contando com a capacidade condutora da água para indicar a posição do naufrágio. 

A dor dos parentes dos tripulantes ao saber da explosão no submarino

O San Juan estava a 400 km da costa da Argentina, no turbulento Golfo de San Jorge onde há “degraus” com profundidades de até 800 m, quando aparentemente sofreu um curto circuito no conjunto 3, formado por 240 de suas 960 baterias elétricas. Segundo a comunicação mantida com o comando da força naval, mantinha profundidade de periscópio, cerca de 15 metros.

Nesse momento, pode ter havido a explosão. O submarino é antigo. Começou a ser construído em 1974, na Alemanha, pela Thyssen-Nordseewerke, mas só foi entregue em 1985 – entre esse período houve a Guerra das Malvinas, em 1982. Da classe TR-1700, de 2.100 toneladas, “gêmeo” do Ara Santa Cruz, o submarino é um modelo adaptado a especificações da Marinha argentina. Levava seis torpedos de 533 mm.

Histórias de vida a bordo do submarino San Juan

Em 2006, o San Juan entrou em um programa de revitalização e modernização. Normalmente, o prazo para a reforma é de dois anos. Durou sete. Ele só voltou a operar em 2013. Nos estaleiros Cinar Tandanor, recebeu motores novos, consoles eletrônicos e uma nova central de combate – ao todo, 625 itens foram listados para serem trabalhados, entre os quais a substituição das baterias elétricas. Para facilitar a remoção de seções internas de grande porte, o casco metálico foi cortado ao meio e depois “recosturado”. A remontagem começou em 2011. Houve atrasos. Sem dinheiro, o Ministério da Defesa teve de alongar o prazo dos contratos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.