Metroviários param o Cairo e derrubam chefe do metrô

Metroviários do Cairo fizeram uma greve de cinco horas nesta quarta-feira, que paralisou o sempre congestionado trânsito na capital do Egito e levou à queda do presidente da Companhia do Metrô, Ali Hussein. Com apenas duas linhas e 69 quilômetros, o Metrô do Cairo é apenas um dos dois em operação na África e no Mundo Árabe. Os trabalhadores também entraram em greve contra as condições insalubres de trabalho, manutenção inadequada e pediram que a empresa pague o seguro saúde.

AE, Agência Estado

14 de novembro de 2012 | 15h09

O Metrô do Cairo transporta quatro milhões de pessoas por dia e a cidade tem 18 milhões de habitantes. Com o metrô paralisado, os cairotas tiveram que recorrer ao precário sistema de ônibus e vans para ir ao trabalho. Passageiros furiosos tentaram invadir algumas estações e tiveram que ser reprimidos pela polícia. O Ministério dos Transportes atendeu aos grevistas e demitiu Hussein, acusado de corrupção.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.