Mexicanas marcham contra violência sexual

Estudantes, donas-de-casa, jovens e travestis participaram deste ato com máscaras, minissaias e tatuagens provisórias com o lema 'NÃO significa NÃO'

Efe,

13 de junho de 2011 | 03h25

Dezenas de mulheres marcharam pelas ruas de Guadalajara

 

MÉXICO - Dezenas de mulheres se reuniram no domingo, 12, na Cidade do México para exigir respeito a seus direitos e a sua forma de vestir como parte da Marcha das Vagabundas, uma campanha iniciada no Canadá e adotada pelos países latino-americanos contra a violência sexual.

 

Estudantes, donas-de-casa, jovens e travestis participaram deste ato com máscaras, minissaias e tatuagens provisórias com o lema "NÃO significa NÃO". "Alerta, alerta, alerta que caminha, vem a marcha das vagabundas por toda América Latina", foi um grito de ordem das participantes que percorreram mais de cinco quilômetros pelo Paseo de La Reforma.

 

"Não vamos permitir que nos maltratem mais, que nos denigram mais pelo simples fato de nos vestirmos como nos der na telha (...) é uma maneira de expressão e nenhuma instituição ou governo ou homem pode nos proibir", disse à Efe Edith Estrada, ativista da organização Proyecto 21. "O abuso sexual e as relações desiguais de poder desbarataram o tecido social", declarou o ativista Fernando Chávez ao encerrar a passeata com uma proclamação para rejeitar a estigmatização pela forma de se vestir, assim como o assédio e a violência de gênero.

 

A Marcha das Vagabundas faz parte de um movimento internacional que começou quando um policial de Toronto disse que se as mulheres não querem ser vítimas de violência que não devem se vestir como vagabundas. De acordo com diversos organismos civis, a violência de gênero aumentou nos últimos anos no México em até 30% e, segundo seus números, cerca de 1,2 mil mulheres são atendidas anualmente por sofrer algum tipo de violência em casa ou mesmo no trabalho.

 

"Digamos 'basta' em solidariedade às mulheres", disse a ativista Icec Vega. Números oficiais no México indicam que durante o período 1999-2005 mais de 6 mil meninas e mulheres morreram vítimas de violência sexual.

Tudo o que sabemos sobre:
méxicomarchaicec vega

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.