Mexicanos correm para a fronteira americana de olho em legalização

Em um abrigo cheio de imigrantes que descansam seus pés cheios de calos, os músculos de Francisco Ramirez doem depois de uma tentativa de cruzar o deserto do Arizona, viagem que não deu certo pois a esposa de Ramirez não teve forças para continuar. Ele disse que o casal descansaria por uns dias e depois tentaria novamente, em um plano seguido por dezenas de outros que se arriscam no deserto em tentativas frustradas. O gerente do abrigo, Francisco Loureiro, disse que não viu uma leva tão grande de migrantes desde 1986, quando os Estados Unidos aprovaram uma legislação permitindo que 2,6 milhões de imigrantes sem documento conseguissem a cidadania. Desta vez, o chamariz é um projeto de lei no Congresso que pode legalizar cerca de 11 milhões de imigrantes em situação irregular ao mesmo tempo em que aumenta a segurança nas fronteiras. Os migrantes se arriscam na fronteira do Arizona em uma tentativa de entrar a tempo de participar do programa de trabalho temporário e antes que a jornada se torne ainda mais perigosa. "Toda vez que há uma discussão no norte para legalizar os imigrantes, a esperança das pessoas aumenta, mas eles não entendem o quão difícil é a travessia", disse Loureiro Aumento das prisões As prisões feitas pela Polícia de Fronteira no sul do Arizona, uma das áreas de maior movimentação de migrantes ilegais, aumentaram mais de 26% este ano. Foram 105.803 casos desde outubro, comparadas aos 78.024 no mesmo período no ano passado. Ao longo de toda a fronteira com o México, as prisões aumentaram em 9%. A porta-voz do Departamento de Alfândega e Controle de Fronteiras, Maria Valencia, afirma que o aumento no número de detenções não significa, necessariamente, um aumento no número de pessoas fazendo a travessia. Segundo ela, o crescimento no número de agentes na fronteira significa uma maior proporção de pessoas detidas. "Temos mais tecnologia e agentes na área e acho que isto teve um impacto". Muitos imigrantes dizem ter sido encorajados por seus parentes nos Estados Unidos, que estão apostando na aprovação do projeto de lei. Perigos do deserto Enquanto o Congresso continua dividido sobre a reforma imigratória, a maioria dos legisladores quer fortificar a fronteira, uma idéia que fez com que os imigrantes tentassem fazer a travessia antes que ela se torne ainda mais difícil. Desde que os Estados Unidos endureceram as fronteiras em pontos no Texas e na Califórnia nos anos 90, centenas de milhares de migrantes se documentos tentam fazer a travessia no deserto do Arizona. O Grupo Beta, patrocinado pelo governo americano, tenta desencorajar migrantes a atravessar a fronteira e ajuda pessoas que ficaram presas no deserto. Os agentes do grupo possuem um ponto de controle há 20 quilômetros da cidade de Sasabe, onde advertem os migrantes sobre os perigos do deserto, além dos roubos e estupros sofridos pelos migrantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.