Alejandro Bringas/ EFE
Alejandro Bringas/ EFE

Mexicanos formam 'muro humano' em protesto contra Trump

Atos ocorreram em Ciudad Juárez, na fronteira com o Novo México, e Tijuana, vizinha à Califórnia

O Estado de S.Paulo

18 Fevereiro 2017 | 02h21

CIUDAD JUÁREZ, MÉXICO - Com os braços abertos e armados de flores, milhares de mexicanos formaram nesta sexta-feira, 17, um "muro humano" na fronteira com os Estados Unidos. O protesto foi contra o projeto do presidente Donald Trump de construir ali uma grande barreira para impedir a entrada de imigrantes ilegais.

A manifestação, convocada por autoridades locais e associações civis mexicanas, reuniu políticos, líderes sociais e, sobretudo, uma multidão de estudantes em Ciudad Juárez, separada atualmente por um barreira da vizinha americana El Paso.

"Aqui está teu muro, 'trompetas'", gritava o estudante Cristián Ramírez, de 15 anos, que assim como muitos de seus companheiros portava uma flor.

Sob o olhar atento da patrulha de fronteira americana, os manifestantes, entre os quais o prefeito de El Paso, Oscar Leeser, formaram uma barreira humana de quase 1,5 quilômetro entrelaçando seus braços.

"Ciudad Juárez e El Paso são uma só cidade, não estaremos separadas nunca", disse Leeser, que nasceu do lado mexicano da fronteira e reivindica suas raízes.

"O muro é uma das piores ideias, isso não vai deter nada, nem drogas nem imigrantes, é somente um símbolo do ódio de Donald Trump, do racismo do presidente", disse a estudante de Ciências Sociais Ana Carolina Solís, de 31 anos.

Ao cair da tarde de sexta, a cerca de 1.200 quilômetros de distância, já no litoral do Pacífico, cerca de 50 manifestantes se reuniram em ponto fronteiriço entre a cidade mexicana Tijuana e a americana San Diego para também expressar seu repúdio ao muro.

"É uma mensagem de paz, na qual devemos enviar nossa solidariedade a quem vive sob influência da política de Donald Trump", afirmou a presidente da fundação Monumento Nacional dos Imigrantes, Laura Díaz, que tem dupla nacionalidade. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.