REUTERS/Henry Romero
REUTERS/Henry Romero

Mexicanos querem que partidos doem fundo de campanha às vítimas do terremoto

Abaixo-assinado pedindo que eles cancelem as propagandas inúteis e com promessas falsas reuniu 1,28 milhão de pessoas

O Estado de S.Paulo

22 Setembro 2017 | 21h40

Cresce no México a mobilização para que partidos políticos abram mão de fundos públicos de suas campanhas para a eleição de 2018 em favor das vítimas do terremoto que matou mais de 290 pessoas no país. A um ano das eleições presidenciais, o Partido Revolucionário Institucional (PRI), do presidente Enrique Peña Nieto, e o opositor de esquerda Andrés Manuel López Obrador concordaram em abrir mão de parte da receita.

Ao menos 1,28 milhão de pessoas aderiram a um abaixo-assinado que pede que os recursos destinados aos partidos sejam usados na reconstrução de áreas afetadas pelo sismo. “Cancelem as propagandas inúteis e as promessas falsas. Que o dinheiro seja usado em benefícios duradouros como drenagem, pavimentação e reflorestamento”, diz a petição publicada no site Change.org e endereçada ao INE e ao Congresso mexicano. 

O abaixo-assinado pede também que os recursos ajudem as vítimas do terremoto do dia 8, em Chiapas, que matou 98 pessoas. “Existem mecanismos viáveis para que os partidos possam destinar os recursos para as vítimas do terremoto”, disse o presidente do INE, Lorenzo Córdova. “Exploraremos as modalidades legais possíveis e, quando esse caminho estiver definido, os partidos poderão agir.”

Na quinta-feira, o PRI anunciou que pretende doar 25% de seu orçamento eleitoral, o equivalente a US$ 14, 3 milhões, para as vítimas. “O PRI exige que a doação seja feita com transparência e sem politização”, disse o partido em nota. López Obrador foi o primeiro a prometer abrir mão dos recursos, mas se comprometeu em doar 20% de sua verba de campanha. O México vai às urnas no ano que vem para escolher presidentes, governadores, deputados e senadores. / AFP e REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.