México: 1º colocado na corrida presidencial não participará de debate

O primeiro debate presidencial do Mexico nesta terça-feira terá quatro candidatos e uma cadeira vazia. O candidato Andres Manuel Lopez Obrador decidiu semanas atrás que não compareceria aos dois primeiros debates televisionados e duas recentes pesquisas apontam que ele vem perdendo apoio entre os eleitores. O ex-prefeito da Cidade do México foi atacado por campanhas negativas e anúncios classificando-o de covarde por não debater com seus oponentes. Muitos já o comparam com o presidente venezuelano Hugo Chávez. Enquanto Obrador planeja participar do debate final no dia 6 de junho, sua ausência nesta terça-feira pode comprometer sua candidatura há apenas dois meses das eleições. Uma pesquisa feita pela empresa Parametria mostra que o apoio a Obrador caiu de 40% para 35% em março. Felipe Calderon, do Partido da Ação Nacional(PAN) do presidente Vicente Fox aparece com 33% das intenções de voto. A pesquisa tem uma margem de erro de 3%. Outra pesquisa publicada pelo jornal Reforma mostra Calderon liderando com 38% das intenções de voto contra 35% de Obrador, com uma margem de erro de 2,5%. Com muitos eleitores ainda indecisos, o debate pode ser essencial para Calderon e Roberto Madrazo, cujo Partido Revolucionário Institucional(PRI) controlou o México desde 1929 perdendo para o Partido da Ação Nacional de Fox em 2000. As pesquisas mostram que o apoio a Madrazo varia entre 28% e 23%. Os debates são relativamente novos no México, onde por décadas as fraudes eleitorais e a intervenção do governo praticamente garantiam a vitória para o sucessor indicado pelo presidente. "Se os candidatos atacarem uns aos outros, mas falharem em cortejar os eleitores, a estratégia de Obrador pode se mostrar acertada", disse Jose Antonio Crespo, do Centro de Pesquisas Econômicas da Cidade do México. Participam ainda do debate candidatos pouco conhecidos como Patricia Mercado, do Partido Alternativa Social-democrata e Campesina (PASC) e Roberto Campa do Partido Nova Aliança (PNA). O Istituto Eleitoral Federal determinou os tópicos do debate: habitação, energia, emprego e planos de desenvolvimento econômico. A questão da imigração não consta na lista, mas deve vir à tona quando os candidatos mostrarem seus pontos de vista sobre assuntos relacionados.

Agencia Estado,

25 Abril 2006 | 18h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.